Mulher de Ghosn diz ter medo da Justiça japonesa e pedirá apoio a Bolsonaro

Publicado em 25 maio, 2019 10:44 pm
Carlos Ghosn. Foto: Jolanda Flubacher/Flickr – 24.jan.2014

Do Globo:

“Eu tenho medo”, diz Carole Ghosn, mulher do ex-presidente da aliança Renault-Nissan — que cumpre prisão domiciliar no Japão acusado de crimes financeiros — de como a Justiça japonesa conduz as investigações. Em entrevista ao GLOBO por telefone de Nova York, ao lado da advogada Jessica Finelle, que atua em violação de direitos humanos, ela sustenta que o marido é inocente. E que vai contatar o presidente Jair Bolsonaro para pedir maior envolvimento do Brasil nos esforços para garantir que Ghosn tenha um julgamento justo. Ao longo de 48 minutos de conversa por telefone, Carole, de origem libanesa e que passou grande parte de sua vida nos EUA, falou sobre como vem ajudando o ex-titã da indústria automotiva. Coube a Jessica responder os pontos sobre os quais Carole avisou, antes da entrevista, que se recusaria a responder.

(…)

Na sua opinião, esse tratamento da Justiça se deve ao fato dele ser estrangeiro ou um grande executivo?

Carole : Talvez seja por ele ser um estrangeiro e também pela posição dele. É interessante que Hiroto Saikawa, que assinou todos os documentos (sob suspeita na investigação), é o atual presidente e CEO da Nissan. Greg Kelly (outro executivo da Nissan nos EUA acusado no processo) também está na prisão, enquanto Saikawa não foi sequer questionado. Das duas pessoas que assinam os documentos usados para acusar o meu marido, um está preso e o outro, no comando da companhia. Um é americano; o outro, japonês.

Jessica : O advogado japonês de Carlos Ghosn, Junichiro Hironaka, já ponderou que Saikawa não está sendo responsabilizado por nada, e que não é razoável que o executivo brasileiro seja acusado sozinho. E já avalia pedir à Procuradoria no Japão uma justificativa para isso. Ele questiona que, se os números apresentados pelos executivos estão incorretos e os diretores são responsáveis por eles como signatários do documento, por que o procurador não toma uma atitude? Hoje, o curso do processo de Ghosn é uma exceção no Japão, porque a Justiça do país trabalha com base na confissão de culpa pelo acusado. Ghosn afirma desde o início que é inocente. Ele é vítima de uma pressão cada vez maior, com base em humilhação e violação de direitos humanos para confessar.

(…)

As embaixadas têm ajudado? E o Brasil?

Carole : O cônsul-geral do Brasil no Japão foi muito atuante quando ele foi preso a primeira vez. Mas eu gostaria de ver mais ajuda do Brasil, que o país se envolvesse mais no que está havendo com ele. Carlos é brasileiro. E ajudou com a fábrica da Nissan que abriu no Brasil, criou empregos, tornou a economia melhor.

Pretende contatar o presidente Jair Bolsonaro?

Carole : Sabemos que foi contatado antes, mas não tivemos retorno. Então, vamos contatar diretamente para pedir maior participação do governo brasileiro. Queremos garantir um julgamento justo para Carlos.

(…)