‘Obra desnecessária’, diz diretor esportivo da USP sobre muro de vidro, após painéis quebrados

Postado em 20 de abril de 2018 às 5:01 pm
Muro de vidro da raia olímpica da USP é depredado; caso foi descoberto na manhã desta quarta (18) – Reprodução/TV Globo

Do G1:

O diretor do Centro Esportivo da Universidade de São Paulo (USP), José Carlos Simon Farah, criticou o muro de vidro colocado pela Prefeitura na raia olímpica da USP, e que custará, ao todo, mais de R$ 20 milhões, pagos pela iniciativa privada. Para ele, o muro de vidro de 2 km que está sendo erguido é “uma obra desnecessária” e que não protege os atletas.

As críticas ocorrem após mais três painéis do vidro aparecerem quebrados na manhã desta sexta-feira (20) na Marginal Pinheiros.

Na quarta-feira (18), um painel de vidro também estava estilhaçado e foi trocado pela Prefeitura no mesmo dia. Ainda não se sabe as causas dos vidros estarem sendo quebrados. Em um intervalo de 2 dias, 5 painéis foram estilhaçados.

“Eu achei uma obra desnecessária. O muro, se ele é feio se ele é bonito, o muro de concreto, não entro no mérito. Mas ele tinha uma proteção muito importante”, disse o professor, que é responsável pelo Centro Esportivo da Universidade.

Farah frequenta a raia olímpica desde 1976 e disse que não está surpreso com o fato dos vidros estarem sendo quebrados. Antes, havia um muro de concreto, que está sendo retirado gradualmente pela Prefeitura. Conforme o professor, antes também havia vandalismo no muro e em relação aos atletas, sendo que o problema é antigo.

“Não era um muro, era um elemento vazado, as pessoas também invadiam a raia pra vir pescar, e jogavam coisa na gente, pedras, limão, laranja. Então, sempre teve esse viés (de vandalismo). Quando construíram o muro (de concreto), isso acabou”, relembra.

Câmeras de segurança serão instaladas no local para monitorar a situação e impedir o vandalismo, já que a ideia da Prefeitura com a obra é integrar a raia olímpica com a Marginal Pinheiros.

A primeira etapa da obra, de 400 metros, foi entregue no início de abril.

x