PM assassino contratado pelo Carrefour não era autorizado a trabalhar como segurança

Publicado em 21 novembro, 2020 6:33 pm

Do G1:

FOTO: REPRODUÇÃO/REDES SOCIAIS

O policial militar Giovane Gaspar da Silva, de 24 anos, um dos dois envolvidos na morte do homem negro espancado na noite desta quinta-feira (19) em uma unidade do Carrefour em Porto Alegre, não tinha o registro para atuar como segurança, informou a Polícia Federal.

Segundo a PF, que emite o documento, é necessário ter a carteira nacional do vigilante para fazer “a abordagem ativa de contenção”.

Além disso, de acordo com o coronel Rodrigo Mohr Picon, comandante-geral da Brigada Militar, Giovane “não poderia tirar registro de segurança”. “Por lei, é vedado o exercício de qualquer outra atividade remunerada”, afirmou ao G1 o comandante.

Segundo Picon, Giovani era PM temporário.

(…)

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!