Polícia tira investigações de delegado que indiciou Felipe Neto e suspeita de “possível uso político”

Publicado em 6 maio, 2021 3:37 pm
Crédito: Reprodução/Instagram e Youtube
Felipe Neto e Carlos Bolsonaro

De Guilherme Amado na Revista Época.

O secretário de Polícia Civil do Rio de Janeiro, Alan Turnowski, não quer mais que o delegado Pablo Dacosta Sartori, da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI), investigue crimes cibernéticos que envolvam autoridades públicas.

LEIA – Felipe Neto diz que tuíte chamando Bolsonaro de “desgraçado genocida” chegou em 3 milhões de pessoas

Sartori vem a ser o delegado que intimou Felipe Neto a responder por uma suposta violação à Lei de Segurança Nacional, em março, após um registro de ocorrência feito por Carlos Bolsonaro.

LEIA MAIS – Revoltado com morte de Paulo Gustavo, Felipe Neto chama Bolsonaro de maldito, ladrão, lixo e assassino

Também havia sido o delegado que indiciara Neto numa investigação de corrupção de menores, após o Ministério Público receber uma denúncia enviada por um cidadão, que alegava que o empresário teria supostamente divulgado material impróprio para crianças e adolescentes em seu canal no YouTube — o que não é fato.

Turnowski ordenou ao diretor do Departamento-Geral de Polícia Especializada do Rio, delegado Felipe Curi, que Sartori investigue apenas crimes cibernéticos de natureza geral, que não envolvam políticos ou autoridades.

Turnowski avalia que Sartori estava ficando muito exposto diante do possível uso político da Delegacia de Crimes de Informática.

(…)

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!