Professores analisam aula on-line de Olavo de Carvalho e mostram que ele não sabe nada de Kant

Publicado em 10 fevereiro, 2019 9:28 am
Olavo de Carvalho. Foto: Reprodução

“A formação da personalidade”, “Introdução ao método filosófico” e “Sociologia da Filosofia” são só alguns dos 14 cursos avulsos on-line oferecidos por Olavo de Carvalho, considerado por muitos como o “guru” do governo Bolsonaro.

Na internet, Olavo, que emplacou os nomes de Ricardo Vélez Rodríguez como ministro da Educação e Ernesto Araújo, na pasta das Relações Exteriores, versa sobre todos os campos da filosofia. Faz isso não só nos chamados cursos livres que oferece, mas também em séries de aulas mais aprofundadas de temas como “Simbolismo e ordem cósmica”, “Guerra cultural” e “Esoterismo”.

São mais de 400 aulas e vídeos reunidos no “Curso On-Line de Filosofia”, que Olavo e seus seguidores costumam chamar de COF. O material pode ser acessado ao custo de R$ 60 mensais — há descontos para planos trimestrais, semestrais e anuais. Apesar de se autointitular filósofo, ele não tem formação acadêmica.

A pedido do GLOBO, três filósofos especialistas na obra de Immanuel Kant assistiram a uma aula on-line de Olavo, em que ele trata da obra do pensador alemão, que viveu no século XVIII e foi um dos principais nomes do Iluminismo. Esse movimento, em defesa da razão, da ciência e do estado laico, inspirou da Revolução Industrial à criação do Estado com a separação de poderes.

Maurício Keinert, professor de filosofia moderna na Universidade de São Paulo (USP); Maria Borges, professora de filosofia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e presidente da Sociedade Kant Brasileira; e Daniel Tourinho Peres, professor especializado em filosofia alemã da Universidade Federal da Bahia (UFBA), analisaram as interpretações de Olavo sobre um dos principais textos de Kant, “O que é ilustração”, em que o alemão defende que todos os dogmas são passíveis de questionamento, inclusive os religiosos.

Na leitura de Olavo, Kant se opõe às religiões cristãs. Na visão dos três filósofos, o guru do bolsonarismo está equivocado.

— Olavo diz estar construindo uma comunidade de amigos em que todos pensam e querem a mesma coisa. Não é à toa que Kant seja um pensador que precisa ser deturpado. Para Kant, desacordo é bom, é assim que a gente cresce — diz Tourinho Peres.

Leia a seguir trechos da aula de Olavo e a avaliação dos professores.

Acordo criminoso

Segundo Olavo de Carvalho, Kant define a função do clero como criminosa e diz que “ninguém escreveu coisa pior sobre a Igreja Católica”. O brasileiro diz que o o alemão coloca Jesus Cristo como um criminoso . “Isso tem que acabar, é inválido, ninguém disse isso antes. É curioso que mesmo os críticos do Kant dizem que ele era um homem cristão. De onde vem esse estado de anestesia com que as pessoas leem o Kant?”, questionou Olavo.

Para Maria Borges, a interpretação de Olavo é um erro. “Kant tem um texto que se chama ‘A religião nos limites da simples razão’. O próprio alemão foi criticado pelos iluministas porque admitia um espaço para a religião, desde que limitada pela razão”, diz ela. Keinert concorda e diz que Kant defende a liberdade religiosa como mais importante do que ir contra uma religião: “Isso é o que parece incomodar o Olavo — a ideia de que as pessoas tenham a possibilidade de ter diferentes religiões, várias visões”.

Matança de cristãos

Olavo denuncia que a “missão número 1 do Iluminismo” é eliminar a religião cristã e que Kant tem uma responsabilidade, “ao menos indireta, pelas matanças de cristãos que se tornaram endêmicas” em diferentes países como França, Espanha, Itália e México. “Se você diz isso, que Kant começou tudo isso, as pessoas ficam chocadíssimas”, afirmou. Keinert aponta que não se deve tratar um texto do século XVIII com anacronismo: “O texto de Kant nasce a partir de um debate sobre o casamento civil. Poderíamos interpretá-lo para analisar a questão hoje do casamento homoafetivo. Nesse sentido, seu pensamento é visto como algo perigoso pelos conservadores”, analisa. Tourinho Peres classifica o projeto de Olavo como “obscurantista e dogmático”. O filósofo compara as duas propostas e diz que, enquanto Olavo prega um pensamento comum e único a todos, Kant acredita que o desacordo é bom e “é assim que a gente cresce”.

Religião só na esfera privada

Segundo Olavo, Kant pregava que religiosos só poderiam “representar a Igreja em privado”. Em público, ele não seria obrigado e poderia expor “apenas suas opiniões pessoais”. Olavo compara essa questão com a “a noção iraniana de que se pode praticar a religião em casa, mas não se pode falar dela em público”. E diz que isso está sendo imposto no Ocidente por causa da obra do alemão. Para Keinert, Kant se posicionava contra o dogma, mas “não necessariamente contra a religião católica”. Segundo Tourinho Peres, afirmar que o projeto filosófico de Kant seria destruir a religião cristã e criar uma nova “é um disparate” e que fazer a comparação com o Irã é “mais disparate ainda”. Para Maria Borges, os textos de Kant apontam para uma outra questão: a relação da religião com outras áreas. “O que Kant não quer é uma religião que determine as questões de estado, da ciência”, afirma a professora.