Promotoria de Paris tem poder para investigar Neymar sobre acusação de estupro

Publicado em 4 junho, 2019 8:40 am
Neymar durante treino da seleção brasileira neste domingo (2), em Teresópolis – Mauro Pimentel-2.jun.19/AFP

Reportagem de Lucas Neves na Folha de S.Paulo informa que a Promotoria de Paris tem a prerrogativa de abrir uma investigação própria sobre o episódio em que o atacante Neymar é acusado de estuprar uma mulher brasileira em um hotel da capital francesa. O caso teria acontecido em 15 de maio, em um hotel próximo ao Arco do Triunfo. Segundo fontes da Justiça da França, porém, o fato de a queixa da suposta vítima não ter sido registrada na cidade torna o envolvimento do Ministério Público local menos provável. Em teoria, se um crime acontece no país, ainda que sem envolver cidadãos franceses, os promotores estão habilitados a inquirir sobre ele –o mesmo vale para incidentes com franceses em solo estrangeiro.

De acordo com a publicação, no caso da acusação a Neymar, porém, não há algo como um trabalho de perícia que só forças in loco possam efetuar. O que pode ocorrer é a Promotoria francesa receber um pedido de colaboração da Justiça brasileira, a qual buscaria ajuda, por exemplo, para recolher imagens do circuito interno do hotel em que o crime teria acontecido. Neymar chegou à França em agosto de 2017, quando o PSG o tornou o jogador mais caro do futebol mundial. Em valores atuais, o clube pagou R$ 969,7 milhões para tirá-lo do Barcelona.

Desde que estreou na equipe, o Paris Saint-Germain conquistou duas vezes o título francês, mas falhou no objetivo maior: vencer a Champions League. Neymar atravessou bons momentos, mas também causou controvérsias, como na discussão com o uruguaio Cavani sobre quem deveria ser o cobrador de pênaltis do time. Na eliminação do torneio europeu na última temporada, contra o Manchester United, o brasileiro, lesionado, não atuou, mas tentou invadir o vestiário da arbitragem após a derrota em casa. Foi suspenso por três partidas para a próxima temporada, completa a Folha.