Repórter alvo de ameaça de Bolsonaro já teve outros dissabores com o presidente

Publicado em 23 agosto, 2020 9:07 pm

Da Agência do Poder

O jornalista de O Globo agredido hoje pelo presidente Jair Bolsonaro é Daniel Gullino.

Em cumprimento de sua obrigação profissional, ele tentou extrair um comentário do presidente sobre os depósitos de Fabrício Queiroz na conta da primeira-dama Michelle, num montante de R$ 89 mil. À indagação, Bolsonaro retrucou grosseiramente: “Vontade que tenho é encher sua boca de porrada”.

Após a agressão ignóbil, o repórter perguntou se o presidente estaria o ameaçando, mas não obteve resposta.

Gullino já teve outros dissabores na cobertura presidencial. Em 4 de março, ele era um dos jornalistas que estava de plantão na saída do Alvorada, onde Bolsonaro protagonizou uma das cenas mais patéticas de seu governo. Transferiu ao humorista Márvio Lúcio, o Carioca, a tarefa de responder às perguntas sobre o pífio resultado do PIB, divulgado na véspera.

Na ocasião, Gullino comentou em suas redes sociais: “Bolsonaro colocou um humorista para oferecer bananas a jornalistas e para responder perguntas. Tentamos fazer perguntas a Bolsonaro. Como ele não quis responder, viramos as costas e fomos embora”, relatou no twitter.

(…)

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!