Suíça vai enviar dados de Paulo Preto à Justiça brasileira

Publicado em 1 março, 2018 7:28 pm

Da coluna de Jamil Chade no Estadão:

O Ministério Público da Suíça confirmou nesta quinta-feira, 1, que, a pedido da Justiça brasileira, está levantando os documentos e extratos de quatro contas bancárias atribuídas ao ex-diretor da DERSA Paulo Vieira de Souza. O órgão confirmou ainda que congelou qualquer movimentação financeira envolvendo a conta.

O objetivo é  desvendar a origem e o destino das transferências realizadas pelo brasileiro apontado como operador do PSDB, entre 2007 e 2018. Os recursos chegaram a somar R$ 113 milhões, antes de terem sido transferidos das contas suíças para o Caribe. A  Justiça brasileira quer o bloqueio da soma.

O material, que pode revelar novos implicados no caso, será enviado ao Brasil para que a Procuradoria-Geral da República possa dar seguimento aos inquéritos.

Em declaração nesta quinta, o escritório do do Procurador-Geral da Suíça confirmou que “um pedido de assistência mútua legal está atualmente sendo conduzido” em relação ao suspeito a pedido do Brasil.

Os suíços confirmaram que foram eles quem primeiro repassaram, de forma espontânea, a informação da existência das contas ao Brasil. Em 2017, as autoridades suíças encontraram R$ 113 milhões (35 milhões de francos suíços) em quatro contas no país europeu em nome do ex-diretor da Dersa. Ele comandou a estatal paulista entre 2007 e 2010, período que compreende o mandato do ex-governador José Serra (2007-2010), do PSDB.

Poucos meses depois do primeiro contato entre os suíços e o Brasil, no entanto, em novembro de 2017, a Procuradoria em Berna indicou que recebeu um pedido de cooperação por parte do Ministério Público Federal para que os dados fossem aprofundados. “O Escritório do Procurador-Geral da Suíça pode confirmar que, nesse contexto, o Departamento de Justiça Federal nos delegou um pedido de assistência legal por parte do Brasil em novembro de 2017”, disse o MP suíço.

(…)

SERRA

“O senador José Serra não tem nenhuma relação com esses fatos apontados.”