“Estão com ciúmes”: o coice do embaixador de Israel nos bombeiros de MG, heróis de Brumadinho. Por Kiko Nogueira

Soldados israelenses chegam a Brumadinho

A novela do auxílio israelense a Brumadinho ganhou contornos grotescos com a entrada em cena do embaixador Yossi Shelley.

Após críticas do comandante das operações de resgate, Eduardo Ângelo, à inadequação dos equipamentos — de resto, totalmente razoáveis —, Shelley teve uma reação reveladora.

“Vamos deixar de lado as pessoas que querem brigar. Nós faremos o trabalho que é preciso fazer e os resultados virão ao longo dos próximos dias”, falou.

“Nossas ações mostram a grande cooperação e o grande coração de Israel. Não precisamos escutar as pessoas que estão com ciúmes. Fazemos tudo com o coração”.

De acordo com o tenente-coronel Ângelo, o imagiador trazido de Israel só consegue captar a presença de corpos quentes, o que não seria o caso dos que estão na área atingida.

“Em outros países recebemos só elogios, como no México, nas Filipinas. Quem estiver frustrado com a melhora no relacionamento entre Israel e Brasil que se acostume e ‘engula o chapéu’”, mandou Shelley.

A delegação que chegou no domingo (27) a Minas Gerais tem cerca de 130 soldados e oficiais reservistas. Tudo foi devidamente postado nas redes sociais por Jair Bolsonaro e Benjamin Netanyahu.

O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, declarou que os “militares não estão na linha de frente porque governo de MG não solicitou“.

Não faz sentido. Por que Zema cometeria esse suicídio? Por que perder um tempo precioso?

O mais provável é que os soldados de Israel tiveram a precedência outorgada pelo presidente da República.

Os bombeiros de Minas Gerais estão se metendo na lama até o nariz, realizando um trabalho hercúleo e de entrega absoluta.

Com um detalhe importante: o 13º está atrasado e não há perspectiva de ser pago no curto prazo. Qualquer ajuda é bem vinda.

Qualquer mão é bem vinda.

Mas não ao custo de humilhar quem está lá, aí sim, com o coração e a alma, sem fanfarronice marqueteira.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!