‘Este não é o destino do nosso país’: com críticas ao descaso com a covid, ativistas protestam na Paulista sábado (4)

Publicado originalmente no perfil do Grupo Ação

Por que voltamos às ruas

Aqueles que fingem nos governar gostariam de eliminar do povo brasileiro a capacidade de se indignar diante da morte. Este é o verdadeiro projeto de governo: naturalizar valas e mais valas com corpos de brasileiras e brasileiros, resultado do descaso e do escárnio; criar uma sociedade insensível ao desaparecimento; fazer deste país um cemitério de silêncio, sobre o qual reina a indiferença.
O Brasil, construído em cima dos genocídios negro e indígena, assiste agora a mais uma onda de genocídio: o das camadas mais pobres e vulneráveis de nosso povo, morrendo sem direito ao luto e à dor e, se não morrendo, desesperado diante da miséria e do desemprego que o obriga a sair às ruas e “voltar ao normal”. Essa condição, novamente, atinge desproporcionalmente mais a população negra e indígena.
Diante do mundo todo, o Brasil desponta não apenas como o epicentro da pandemia, mas como o epicentro dos mortos sem luto. Nenhuma sociedade pode sobreviver a isto. ​Um governo, cujo verdadeiro horizonte é o sacrifício indiferente de seu próprio povo, não pode continuar sequer mais um dia. A pandemia colocou a céu aberto a máquina de morte que o impulsiona. Aqueles que aplaudiam torturadores, assassinos de Estado e milicianos especializados em extorquir o povo pobre não poderiam nos dar nada diferente disto.

Aqueles que vieram dos porões mais sombrios da ditadura militar, das fazendas onde ainda se encontra trabalho escravo, das serras-elétricas que ainda pulsam com o ritmo colonial da conquista, dos bancos que veem esta terra apenas como um espaço de exploração, só poderiam ter como projeto de governo a naturalização da morte em massa. Contra isto, estaremos mais uma vez nas ruas e até que este governo neofascista e genocida caia.

Que nesta manifestação cada um e cada uma carregue uma foto dos mortos pela violência do Estado, seja ela produto da negligência no enfrentamento da pandemia, da violência policial, do massacre das populações indígenas, do desaparecimento na luta contra a ditadura. Que cada um e cada uma fale em alta voz o nome daquelas e daqueles que o governo quer que esqueçamos. Que façamos o digno luto daquelas e daqueles que o governo quer queimar no altar da economia para poucos.

Você é importante para esta luta. Este não é o destino de nosso país e podemos mudar essa história. Venha no dia 04 de julho, às 14 horas, diante do Masp. Este ato tem como premissa garantir a segurança de todas e todos dentro deste cenário, em que a mobilização se dá presencialmente. Respeite as medidas sanitárias de distanciamento e proteção. Venha lutar conosco! #ForaBolsonaro!

 

Ver essa foto no Instagram

 

Mais de 44 mil mortos pela “gripezinha” no Brasil. O segundo país com mais infectados e mortos no mundo por Covid-19. O Grupo de Ação se reuniu neste sábado, na Paulista, para homenagear as vítimas deste governo genocida. Grupo apartidário e espontâneo de ativistas, artistas, advogadxs, professores, profissionais de saúde, estudantes, editores e comunicadores. Cidadãs e cidadãos unidos num só propósito: #ForaBolsonaro!! ✊🏽✊🏾✊🏿✊🏼✊✊🏻 . . #GrupoDeAção #ForaBolsonaro #ForaBolsonaroEMourão #VoltaDemocracia #Covid19 #Coronavírus #Ato #Masp #VítimasdaCovid19 #Resistência #Luta #Antifascismo #SP #Play #Vídeo

Uma publicação compartilhada por Grupo de Ação (@grupodeacao_) em 15 de Jun, 2020 às 7:52 PDT

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!