Ex-mulher de Osmar Terra foi torturada por Ustra, ídolo do sujeito que ele bajula por um cargo. Por Kiko Nogueira

Osmar Terra e Bolsonaro

Entre as figuras deploráveis da vida pública nacional, Osmar Terra é uma estrela em ascensão. 

Médico, no sexto mandato como deputado do MDB, é cotado para substituir Luís Henrique Mandetta no Ministério da Saúde porque concorda, ou finge concordar, com o terraplanismo de Jair Bolsonaro na área.

Na última sexta-feira, a CNN Brasil divulgou um diálogo em que ele aparece conspirando com Onyx Lorenzoni, seu conterrâneo, contra Mandetta.

“Eu ajudo, Onyx. E não precisa ser eu o ministro, tem mais gente que pode ser”, disse, simulando desinteresse.

A conversa foi gravada porque ele “esqueceu” o telefone ligado para o repórter da emissora, evidentemente com a anuência de Lorenzoni.

Terra defende a cloroquina no tratamento do coronavírus e é contra o isolamento vertical.

Cita dados incorretos, chuta, passa vergonha, é orgulhoso da própria ignorância — ou seja, preenche todos os requisitos para trabalhar em Brasília.

Sua história conta muito sobre até onde está disposto a ir.

Foi prefeito de Santa Rosa, no RS, entre 1993 e 1996, depois secretário de saúde no governo daquele estado, ministro do Desenvolvimento Social no governo Temer e da Cidadania de Jair Bolsonaro.

Foi demitido por causa de problemas na gestão do Bolsa Família e para acomodar Onyx, que causava problemas na condução da Casa Civil.

Saiu, mas não largou o osso. Essa é a marca de Terra.

Sua trajetória, da esquerda para a direita, é espantosa.

Sua companheira foi torturada pelo coronel Ustra, chefe do Doi-Codi, ídolo do presidente que Osmar bajula, nos anos 70, quando ele era comunista e ela era líder estudantil.

Monica Tolipan era monitora da escola Chapeuzinho Vermelho. Foi estudar Psicologia na PUC do Rio de Janeiro. Elegeu-se presidente do Diretório Central dos Estudantes (DCE) em 1972.

Monica Tolipan com seu livro, “Uma Presença Ausente”

“Ficamos confinados a uma cidadania de segunda classe durante muitos anos. Já nascemos com a insígnia do terror”, falou em 2013 na chamada Caravana da Anistia, do Ministério da Justiça.

O casal fugiu para Buenos Aires. De volta, mudaram-se para Porto Alegre e então para Santa Rosa, onde acharam que estariam seguros contra a ditadura.

Ela só conseguiu concluir a graduação em 1982. “Muitos colegas se referiam a mim como alguém que tinha se mantido na clandestinidade”, relatou.

“Votei no Osmar, pedi votos para ele, sempre apoiei e estive próximo. A decepção é muito grande”, disse à Zero Hora João Carlos Bona Garcia, um dos fundadores do MDB gaúcho.

“É lamentável ver pessoas como ele jogando sua história para o alto para ficar se aproveitando de nacos do poder”.

A barganha faustiana de Osmar pode render um ministério num governo de um debilóide fascista que não hesita em colocar os brasileiros em risco diariamente.

Um preço pequeno a pagar para Osmar Terra.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!