Fascismo no Leblon. Por Carol Proner

Praia do Leblon. Foto: Wikimedia Commons

Publicado originalmente no perfil da autora no Facebook

POR CAROL PRONER, jurista

Fascismo no Leblon.

Faço esse relato porque entendo que a indignação deve se contrapor à naturalização da violência. Havia dito para a minha amiga Gisele Ricobom que, com as ideias mais claras, eu descreveria o barbarismo que vivemos ontem, ilustração do fascismo mais caricato. Leblon, sábado de sol, Bar Veloso, acabávamos de chegar acompanhadas do pequeno Nico, de 3 anos, quando ouvimos os gritos desesperados de alguém que acabava de ser assaltado, uma mulher gritava “pega ladrão, pega o desgraçado que me assaltou”.

O moleque vinha da praia, pedalando desenfreado e tentando se livrar dos homens que o perseguiam, até que foi derrubado ali em frente, provocando a disparada de pessoas para ver ou até participar do castigo. Já estavam posicionados em torno do garoto negro que, depois da queda, tinha a cabeça presa sob o pé de alguém, um braço torcido e começava a ser chutado pela própria vítima em surto de ódio, justificando que havia trabalhado muito para ter aquele aparelho celular.

Escrevendo agora, tenho apenas flashes de memória, mas lembro que corri imediatamente para lá, com a convicção dos distraídos, gritando em nome de uma suposta comissão de direitos humanos: “ninguém machuca o garoto! Chama a polícia, mas não bate no garoto”.

Nessa de meter o corpo, não me dei conta do absurdo e que, ali, a tresloucada era eu. Não reparei nos brutamontes corpulentos que esticavam o ladrão imobilizado em posição de jiu jitsu e acabei provocando a ira de todos. Vários dedos apontaram para mim, os gritos migraram, a mulher roubada esteve a ponto de me bater até que alguém perguntou a idade do moleque. Aproveitei a resposta e emendei: “Tá vendo? 15 anos, menor de idade! Chama a polícia, mas não bate no garoto”.

O homem que perguntou a idade, provavelmente o comparsa, prometeu conduzir o moleque até a guarda municipal e, magicamente, o ladrão saiu da cena. Dali em diante, o foco passou a ser outro. Fazer triunfar o argumento fascista passou a ser mais importante que recuperar o celular roubado ou mesmo prosseguir o linchamento social.

Em debate circular, apareceram falsos advogados, um suposto delegado, um tal agente da polícia federal, um velho que passava por ali e meteu o dedo na minha cara porque era velho e sabia de tudo, mas a maior agressividade vinha das mulheres que acompanhavam os pitbulls tatuados, um ódio que eu nunca tinha visto.

Gisele veio ao meu socorro e nem mesmo uma mãe com um bebê no colo foi respeitada. Tentando me acalmar, ela lembrou do garoto estrangulado no supermercado Extra e disse que fizemos bem em interferir. Tremendo, decidimos voltar ao restaurante e terminar o nosso almoço, mesmo diante da provocação do bando que, soubemos depois, havia atravessado a madrugada consumindo álcool, drogas e cultivando ódio.

Nos surpreendemos com a solidariedade de algumas mesas e de dois garçons muito discretos, pois o gerente, certamente bolsonarista, não aprovaria manifestação explicita de humanidade.

Um casal solidário nos acompanhou até a saída e pudemos partir seguras, porém tristes, pensando nessa gente doente, no pobre garoto que arriscou a vida, na miséria da nossa sociedade.

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!