Fernanda Gentil fala sobre críticas e apoio recebidos no dia em que assumiu namoro com uma mulher

Fernanda Gentil e Priscila Montandon
© Divulgação, Camarote N1

A jornalista e apresentadora Fernanda Gentil falou sobre a onda de solidariedade e ataques preconceituosos que recebeu após declarar publicamente que é LGBT e assumir um relacionamento com uma mulher. Ela fez isso há quatro anos.

O nome da namorada Fernanda é Priscila Montandon. Ela é jornalista natural de Uberlândia, em Minas Gerais.

Fernanda, que trabalha na TV Globo, escreveu o seguinte no Instagram:

“Há exatos 4 anos o Brasil sabia que eu estava namorando uma mulher, e, (só) por isso, eu recebia uma onda de carinho de todos os lados. Mas paralela a ela, ao mesmo tempo, uma outra onda também se formava na minha direção; de mensagens ruins, chatas, e cheias de maldade.

Acontece que antes desse dia chegar, eu sempre falei pra minha família que a onda seria grande, mas que ficássemos tranquilos, porque, afinal de contas, a gente sabia nadar. E assim foi: a onda ruim veio, e a gente nadou. A onda boa veio, e a gente surfou… e surfa até hoje! Porque o legado dela foi eterno: lembrei quantas pessoas me amam, estão comigo, e como eu sou sortuda pelas amizades e família que tenho.

Mas como sei que estou sim na bolha e os meus privilégios não me deixam ser parâmetro, estou repostando o texto que escrevi quando faltava um minuto para aquele dia acabar – o dia em que o Brasil soube. O dia da onda. Esse texto é só pra dizer pra você, que seja lá qual for o seu furacão – uma demissão, um divórcio, uma paixão por alguém do mesmo sexo, uma mudança de vida, ou uma nova empreitada na sua caminhada – saiba que a onda sempre passa. O dia seguinte nasce. E a piscina (referência ao texto que escrevi, pra entender tem que ler) sempre vai continuar lá.

Passem pro lado e espero que as minhas palavras de 4 anos atrás voltem a fazer algumas pessoas sorrirem e se sentirem em paz”.

View this post on Instagram

Há exatos 4 anos o Brasil sabia que eu estava namorando uma mulher, e, (só) por isso, eu recebia uma onda de carinho de todos os lados. Mas paralela a ela, ao mesmo tempo, uma outra onda também se formava na minha direção; de mensagens ruins, chatas, e cheias de maldade. . Acontece que antes desse dia chegar, eu sempre falei pra minha família que a onda seria grande, mas que ficássemos tranquilos, porque, afinal de contas, a gente sabia nadar😏😉. E assim foi: a onda ruim veio, e a gente nadou. A onda boa veio, e a gente surfou… e surfa até hoje! Porque o legado dela foi eterno: lembrei quantas pessoas me amam, estão comigo, e como eu sou sortuda pelas amizades e família que tenho. . Mas como sei que estou sim na bolha e os meus privilégios não me deixam ser parâmetro, estou repostando o texto que escrevi quando faltava um minuto para aquele dia acabar – o dia em que o Brasil soube. O dia da onda. Esse texto é só pra dizer pra você, que seja lá qual for o seu furacão – uma demissão, um divórcio, uma paixão por alguém do mesmo sexo, uma mudança de vida, ou uma nova empreitada na sua caminhada – saiba que a onda sempre passa. O dia seguinte nasce. E a piscina (referência ao texto que escrevi, pra entender tem que ler) sempre vai continuar lá. . Passem pro lado e espero que as minhas palavras de 4 anos atrás voltem a fazer algumas pessoas sorrirem e se sentirem em paz. ❤️ #tbt

A post shared by Fernanda Gentil (@gentilfernanda) on

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!