FHC admite que PSDB será inexpressivo em 2022, mas não perde a empáfia. Por Vinícius Segalla

Isso aqui também já se viu, mas hoje em dia nem se cogita rever

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que deixou o cargo com altos índices de impopularidade, não conseguiu eleger seu sucessor e atualmente não é cogitado nem para eleição de síndico de condomínio de edifício em rua chique de Paris, resolveu fazer o que pode fazer, na sua condição de aposentado: dar palpite a quem interessar possa.

Sobre a eleição presidencial de 2022, ele confessou: o PSDB, seu partido que jamais voltou ao poder desde que ele deixou a presidência sob críticas e lamentações, não terá qualquer chance na próxima corrida eleitoral.

“O Brasil está entre o trágico e o que já se viu”, palpitou o político aposentado, referindo-se a Jair Bolsonaro (sem partido) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Entre o trágico e o que já se viu…. Mas não ele, Fernando Henrique, que também já se viu, não se gostou e se esqueceu.

De resto, Fernando Henrique deve estar certo, a direita e a centro-direita têm se mostrado tão incompetentes que não conseguem sequer reter o eleitorado conservador, que sempre tiveram. É provável mesmo que seja Jair Bolsonaro a enfrentar uma candidatura de esquerda em 2022. Parabéns por isso, FHC.

Resta saber como irá se comportar, diante do trágico e o que já se viu e deixou saudades, a julgar pelos índices de popularidade com que deixou o cargo e a eleição de sua sucessora, o político aposentado que gosta de se dizer um democrata.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!