Ficou fácil para o Corinthians

Com a demissão abrupta do técnico, o Chelsea chega ao mundial interclubes desmoralizado e desmontado

Ladies & Gentlemen:

Ficou fácil para o Corinthians. Disse ao Boss: pode ir à Ladbrokes e dobrar a aposta que fez, a conselho meu, no seu time no campeonato mundial de clubes no Japão.

O Corinthians vai enfrentar não um time, mas destroços de uma equipe de futebol.

O Chelsea está atordoado depois que seu dono, o magnata russo Roman Abramovic, demitiu o técnico Roberto di Matteo logo em seguida à derrota para a Juventus em Turim por 3 a 0 pela Champions League.

Matteo estava havia menos de um ano no cargo, e tinha dado ao Chelsea e a Abramovic o sonhadíssimo, e inédito, título da Champions. É verdade que Supernatural Jones trabalhou como nunca para que o Chelsea derrotasse na semifinal o Barcelona, mas o que importa é que o troféu foi para Stamford Bridge, o estádio do time de Abramovic.

Mas para Abramovic o passado simplesmente não existe, e depois de alguns maus resultados Matteo foi mandado para a Sibéria, como tantos outros treinadores antes dele, incluído Big Phil, o Felipão.

Não gosto de Abramovic, confesso. Ele comprou um lugar na sociedade de Londres ao arrematar há alguns anos o Chelsea, então um timinho que só fazia número no campeonato inglês.

Sabe-se que ele torra dezenas de milhões de libras por ano com o Chelsea, um time absurdamente defincitário, e para ele são migalhas.

De onde veio tanto dinheiro? Abramovic não é nenhum gênio dos negócios. Ele acabou fazendo fortuna no vale-tudo em que se transformou a Rússia com a desintegração da União Soviética.

Como outros ex-agentes da KGB, ele comprou empresas estatais por um preço ridiculamente baixo e suspeito nas privatizações russas, e virou rapidamente um superrico. Depois largou a corrupta e gelada Rússia por Londres, porque bobo ele não é. Até minha mulher Chrissie, que discorda de mim em tudo, concorda em que ele é esperto.

Na época de Stálin ele estaria lambendo as botas do ditador, e recitando trechos do Manifesto Comunista. Agora age como se o dinheiro comprasse tudo.

Por isso não gosto dele. Mas corintianos como o Boss devem agradecer o presente de Natal que Abramovic lhes deu ao desmontar moralmente o Chelsea perto do mundial interclubes.

Os jogadores estão por baixo. O centroavante Torres, contratado por 50 milhões de libras, é tão inoperante que acabou no banco, mesmo sem Drogba. David Luiz com frequência é o melhor amigo dos atacantes adversários. O zagueiro Terry praticamente morreu para o futebol depois que a Federação Inglesa o declarou culpado de racismo.

Ladies & Gentlemen: pensei melhor, e vou acompanhar o Boss à Ladbrokes. Quero ganhar também dinheiro fácil. Vou apostar no Corinthians.

Sincerely.

Scott

Tradução: Erika K Nakamura

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!

Compartilhar
Artigo anteriorO relato de uma jornalista israelense sobre quem está morrendo em Gaza
Próximo artigoA tragédia da Maria Chuteira
Aos 53 anos, o jornalista inglês Scott Moore passou toda a sua vida adulta amargurado com o jejum do Manchester City, seu amado time, na Premier League. Para piorar o ressentimento, ele ainda precisou assistir ao rival United conquistando 12 títulos neste período de seca. Revigorado com a vitória dos Blues nesta temporada, depois de 44 anos na fila, Scott voltou a acreditar no futebol e agora traz sua paixão às páginas do Diário.