Filha do general que provocou manifestantes com taco de beisebol é amiga de Eduardo Villas Bôas

Cristina, a Arlequina da vida real, com seu amigo poderoso
Com o general Villas Bôas, articulador da candidatura de Bolsonaro
Villas Bôas, já doente, recebeu o carinho da filha do general
Com o comandante, quando ele era subordinado de Dilma e conspirava para ter Bolsonaro candidato em 2018

Cristina Rocha Araújo é a mulher que, segurando um taco de beisebol, foi para cima dos manifestantes pró-democracia ontem na avenida Paulista.

Como era natural, houve reação, e um jornalista da Folha que passava pelo local viu a cena e acredita que possa ter sido este o estopim da truculência policial.

Não contra a mulher, mas contra aqueles que estavam sendo ameaçados por ela. Segue o relato do jornalista Fernando Tadeu Moraes, que é editorialista do jornal:

Cheguei à avenida Paulista por volta das 13h15.

A quadra onde fica o Masp estava tomada por manifestantes em defesa da democracia e contra o governo Jair Bolsonaro (sem partido), convocados por diversas torcidas organizadas de clubes da capital. Duas quadras distante dali, reunia-se um pequeno grupo de apoiadores do presidente.

Entre eles, policiais. Um cordão de PMs de coletes fluorescentes isolava cada um dos grupos.

Mas voltados para o lado em que estavam os torcedores havia também um batalhão da Tropa de Choque. Esses policiais estavam organizados em duas fileiras, ostentavam escudos negros, capacetes e alguns tinham armas em punho. Atrás deles, uma dúzia de SUVs paradas com alerta luminoso acionado.

O clima dos manifestantes desse lado, no entanto, parecia tranquilo. No máximo ouvia-se brados contra o presidente e o fascismo. Via-se grande diversidade etária e racial.

Os bolsonaristas eram poucos mas faziam o seu barulho. Nos cerca de 20 minutos que fiquei lá, ouvi palavras de ordem, impropérios e vi os tradicionais cartazes contra o Supremo Tribunal Federal, o “sistema” e a favor do presidente. Ali, quase todos eram brancos e mais velhos, a partir da meia-idade.

Num determinado momento, alguns bolsonaristas mais exaltados tentaram furar o cordão policial em direção ao MASP. Foram contidos pelos PMs e por outros manifestantes. Tudo isso ocorreu por meio da conversa, sem que houvesse qualquer violência, como imagino que deveria ser.

Quando voltei para o lado dos torcedores, por volta das 14h15, vi que começava um bate-boca entre os manifestantes e uma mulher de máscara da bandeira americana e com um taco de beisebol na mão no qual se lia “rivotril”. Os ânimos se inflamaram. Policiais cercaram a mulher e começaram a conduzi-la para o outro lado. Embora mantendo certa distância, um grupo de torcedores começou a ir na mesma direção.

A resposta veio imediatamente. Bombas de gás lacrimogêneo estrondearam. Confusão, correria. Depois, o estampido seco de balas de borracha. Era a hora de sair.

Cristina Rocha, ao ser escoltada por policiais, com toda delicadeza, disse que era filha de general e amiga de Eduardo Villas Bôas, que, enquanto comandava o Exército durante o governo Dilma, articulou da candidatura de Jair Bolsonaro a presidente.

Depois disso, ao lado de outra filha de militar, Lucinha Araripe, ela fazia gestos com o bastão na direção dos manifestantes e a amiga segurava um cartão com o nome “Bolsonaro”.

Em nenhum momento, Cristina foi detida.

Veja vídeo abaixo.

Ao citar Villas Bôas poderia estar só fazendo bravata, para intimidar o policial, mas ela tem de fato fotos com Villas Voas.

Cristina é, antes de tudo, agitadora e assim deve ser tratada, inclusive para efeito de investigação.

Ao levar um taco de beisebol a uma manifestação na Paulista, ela mostrou que não estava bem intencionada.

Seu gesto lembrou Arlequina, a personagem do cinema que se apaixonou perdidamente pelo Coringa, o que levou a cometer as ações mais extremadas para agradar o palhaço.

Qualquer semelhança com a vida real parece não ser mera coincidência. A diferença é que o palhaço psicopata que aterroriza o Brasil é conhecido como Bozo.

.x.x.x.

Veja o vídeo no momento em que, delicadamente, foi escoltada por PM, apesar de estar portando uma arma igual a da Arlequina:

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!