Filho neurótico, pai patético. Por Fernando Brito

Jair Bolsonaro e Carlos Bolsonaro. Foto: Reprodução/Instagram

Publicado originalmente no blog Tijolaço

POR FERNANDO BRITO

O espetáculo que a estranha relação entre Jair Bolsonaro e seus filhos – que acabaram sendo seu único e verdadeiro partido político – atinge seu clímax com o filho Carlos, cujo comportamento de “cão de guarda” do pai se aproxima de uma obsessão.

Como o pai o consente e estimula, isso acaba assumindo ares patéticos, como na publicação que o ex-capitão fez, ontem à noite, no Facebook, com uma foto que é uma verdadeira ilustração do conteúdo: andando apoiado no ombro do filho, num momento de fraqueza no hospital.

O texto, visivelmente escrito por outra pessoa, é taxativo: “querem afastá-lo e de mim e não conseguirão”.

Mais explícito, impossível.

Joguem fora a ilusão, portanto, aqueles que acham que o pitbull será refreado.

Continuará a ser o fiscal da fidelidade política ao pai, com direito a rosnar e a morder aqueles em que farejar “desvios”.

Com todas as desastrosas consequências que isso já causou, não é difícil adivinhar as que causará.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!