Financial Times compara Bolsonaro ao “Médico e o Monstro” e diz que ele justifica sozinho o impeachment

Bolsonaro é o Hyde

O Financial Times, um dos jornais de economia mais influentes do mundo, dedica seu editorial à analisar a atuação de Jair Bolsonaro à frente do governo brasileiro e conclui: “A realidade é que o presidente do Brasil está justificando seu impeachment sozinho”.

O jornal diz compara o governo ao filme O Médico e o Monstro, e diz que Hyde está no comando. Segue o texto:

Todos, exceto um dos presidentes do Brasil desde o retorno da democracia em 1985, terminaram suas carreiras de forma ignominiosa. Dois foram acusados, dois manchados por acusações de corrupção, um preso e outro desencadeou uma crise financeira. Somente Fernando Henrique Cardoso, um centrista que governou de 1995 a 2002, tem sua reputação intacta.

Depois de expulsar o respeitado ministro da Justiça, Sérgio Moro, na sexta-feira passada, Jair Bolsonaro parece agora determinado a se juntar a seus antecessores no salão presidencial de horrores. Moro foi o segundo ministro-chave a sair em oito dias; Bolsonaro havia demitido o ministro da Saúde popular na semana anterior por resistir aos esforços presidenciais para minimizar a pandemia de coronavírus.

A demissão de Moro é particularmente séria por dois motivos. Em primeiro lugar, ele era um herói para os apoiadores conservadores de Bolsonaro. Em seu papel anterior como juiz anticorrupção, ele ajudou a prender o ícone esquerdista e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em segundo lugar, Moro alegou ter desistido em protesto contra a decisão do presidente de demitir o chefe de polícia federal e substituí-lo por um indivíduo mais flexível, disposto a compartilhar informações sobre as investigações atuais. Os brasileiros suspeitam que as manobras de Bolsonaro visam proteger seus filhos poderosos de processos em investigações que vão de financiamento ilegal de campanhas a vínculos com paramilitares.

Se comprovadas, as alegações explosivas de Moro podem constituir motivos de impeachment. Eles desencadearam a pior crise política do Brasil desde que Dilma Rousseff foi acusada em 2016. Apelidado de “Trump dos Trópicos” por seu domínio das mídias sociais, sua capacidade de energizar apoiadores e seus ataques venenosos aos oponentes, Bolsonaro perturbou a elite do Brasil por desconsiderar a Constituição, demonstrando fanatismo por gays, mulheres e negros, e indiferença às queimadas da floresta amazônica. Mas negócios e investidores o toleraram como a melhor esperança de reviver a economia após uma recessão punitiva e anos de má administração e corrupção esquerdistas.

Paulo Guedes, ministro das Finanças de Friedman, elogiou reformas econômicas ousadas e, no ano passado, aprovou uma lei de previdência para aliviar as finanças públicas. Esse sucesso levou ao otimismo dos investidores de que os “adultos na sala”, como são conhecidos os membros mais moderados do governo Bolsonaro, poderiam avançar com reformas apesar das perigosas travessuras do presidente – uma espécie de administração de Jekyll e Hyde.

Agora, como na novela gótica de Stevenson, Hyde assumiu o comando. Qualquer sentimento positivo persistente evaporou-se em meio a uma tríplice crise: um aprofundamento da emergência de saúde pública, uma profunda recessão econômica e calamidade política.

Há muito tempo um jogador, Bolsonaro apostou cada vez mais em negar a seriedade do coronavírus. O Brasil testou tão pouco que os números oficiais não são confiáveis, mas mesmo esses mostram infecções se espalhando rapidamente. O pico ainda está por vir e o sistema público de saúde já está com dificuldades. A economia dependente de mercadorias é igualmente vulnerável; o FMI prevê que o PIB encolherá 5,3% este ano, muito pior que a África subsaariana.

Até agora, Bolsonaro se mostrou resistente. Por enquanto, seus principais apoiadores estão aderindo a ele. Mas ex-apoiadores das Forças Armadas estão ficando desconfortáveis. O Congresso está começando a flexionar seus músculos. Há rumores de novas partidas ministeriais.

Apaixonado por teorias da conspiração, Bolsonaro acusou repetidamente os oponentes de conspirarem para derrubá-lo. A realidade é que o presidente do Brasil está justificando seu impeachment sozinho.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!