Financial Times: investidores estrangeiros se afastam do Brasil. Por Cesar Locatelli

Paulo Guedes e Jair Bolsonaro: Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Publicado originalmente no GGN

O jornal inglês, Financial Times, assim como seu par The Wall Street Journal, é um dos mais influentes arautos do establishment, nestes tempos de absoluto comando das finanças sobre os destinos econômicos, políticos e sociais dos humanos.

Não se verá em suas páginas nada que destoe da defesa insolente da austeridade nas contas dos governos, mesmo quando implique desemprego, fome e sofrimento para populações inteiras. Seu credo determina que os governos sejam mínimos, no que afeta as pessoas, e máximos, na proteção ao valor presente e futuro do dinheiro.

Essas ressalvas buscam evidenciar que o espanto com o governo Bolsonaro não parte somente dos progressistas, mas, igualmente, dos mais ferrenhos conservadores, com o Financial Times na comissão de frente.

Vejamos o que diz da matéria, “Investidores vão se afastar do Brasil até sinais de progresso”, escrita por Jonathan Wheatley, em 19/6, para o Financial Times:

“Os últimos 10 dias foram agitados no Brasil, mesmo pelos padrões daquele país propenso a escândalos. O ministro da Justiça foi acusado de conspiração, um alto assessor presidencial foi demitido depois de se desentender com o desbocado guru de seu chefe, e o chefe do banco nacional de desenvolvimento foi forçado a sair por alegações de impureza ideológica.”

O jornalista se mostra intrigado com a indiferença do mercado de ações e de câmbio a essa balbúrdia, diz ele: “Qualquer distração ou perda de capital político escasso deve certamente ser uma má notícia. No entanto, os mercados parecem impassíveis”. Bem, aqui é preciso ressaltar que o Banco Central tem o controle quase absoluto do mercado de câmbio, com reservas em moeda forte de 388 bilhões de dólares, e possibilidade quase infinita de vender proteção cambial a quem desejar, via swaps cambiais.

Seu entendimento vai em outra direção: os estrangeiros têm expectativas diferentes dos brasileiros que operam nesses mercados. Wheatley opina:

“Enquanto os moradores [investidores locais, para ser mais exato] parecem ter mantido a fé no programa econômico liberal do novo governo, muitas vezes caótico, os estrangeiros são mais céticos. Dados da Bolsa de Valores de São Paulo mostram que os estrangeiros são vendedores líquidos de ações brasileiras desde a eleição de Jair Bolsonaro, o presidente de direita, em outubro passado.”

Wheatley faz algumas críticas aos governos petistas, mas revela o que inquieta os estrangeiros. Ele cita um gestor de recursos londrino que, com uma simples frase, consegue desnudar a política econômica da dupla Bolsonaro Guedes: “A grande questão dos meus clientes é de onde virá o investimento produtivo”.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!