Flávio Rocha e a Riachuelo não ganham mais um centavo do meu dinheiro LGBT. Por Alexandre Putti

Flávio entre os rapazes do MBL, Huguinho e Zezinho

Publicado no Facebook de Alexandre Putti

Momento de tristeza.

Há um mês eu entrei, pela primeira vez, na Riachuelo. Estava procurando uma sunga e acabei adorando as roupas da loja.

Não resisti, fiz o cartão e comprei um monte de brusinha. Estava aguardando ansiosamente liberar o limite para comprar mais.

Aí essa semana me deparei com uma notícia a qual dizia que o dono da marca, o empresário Flávio Rocha, começou a apoiar uma campanha que pretende eleger 200 nomes para o Congresso ligados à bancada da Bíblia, com pautas conservadoras, entre elas o combate à “ideologia de gênero” e a proibição do casamento LGBT.

Flavio não descarta a possibilidade de se candidatar à presidência com o apoio do MBL.

Ele só esqueceu de um detalhe: muitos dos seus clientes são essas pessoas que ele quer combater.

Pois bem, agora ele não ganha mais nenhum centavo do meu dinheiro. Dinheiro LGBT. Pink money. Já que é pelo dinheiro que ele quer nos destruir, é pelo dinheiro que destruiremos ele.

Peço a todos meus amigos (LGBTs ou não) que se juntem a essa causa, por uma questão de sobrevivência das manas que morrem todos os dias no nosso país vítimas do preconceito e da opressão de pessoas como Flávio. 

Para quem está dizendo que é fake news:

– http://bit.ly/2EPymQs

– http://bit.ly/2ELSrqz

– http://bit.ly/2Erx4xg

– https://glo.bo/2BMFw9a

A data 2017/12 do cartão é de quando eu fiz minha conta na loja, e não de vencimento. Esse tipo de cartão não vence.

Nenhum texto alternativo automático disponível.
Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!