“Foi liiiiiindo”: quem é o amigo de balada de Bruno Covas que ganha R$ 20 mil na prefeitura e rodou com ele o mundo

Bruno Covas e Gustavo Pires em Paris, quando foram a um evento de jovens lideranças mundiais

A Folha traz matéria sobre os amigos de balada de SP Bruno Covas que continuam empregados na prefeitura. Em maio de 2018, o DCM contou a história de um deles, Gustavo Garcia Pires, que rodou o mundo com Covas. 

Gustavo ganha, como secretário-executivo, um salário de R$ 19,7 mil. A mãe dele, que estava lotada na SP Trans, foi demitida. 

Em dezembro de 2017, fotos de servidores públicos de São Paulo em cenários paradisíacos viraram notícia.

Eles saíram pelo mundo como se estivessem de férias, quando deveriam estar dando expediente, e tudo foi parar nas redes sociais.

Um deles era Gustavo Garcia Pires, à época assessor especial de Bruno Covas, então vice-prefeito.

Foram 13 dias em que a folha de ponto da prefeitura registrou cinco faltas injustificadas, quatro abonadas e os finais de semana.

Bruno assumiu o lugar de João Doria, que foi concorrer ao governo paulista — e Gustavo subiu com ele, mantendo o ritmo intenso das viagens ao lado do chefe.

Sua ascensão foi meteórica: entrou no dia 9 de janeiro de 2017 com um salário de R$ 4 937,49 reais.

Em abril, promovido a secretário executivo, passou a receber R$ 14 395,19 — um aumento de 292%.

Por mais competente que qualquer ser humano seja, é uma expansão financeira surreal num espaço de tempo tão curto.

Ele não esconde sua amizade com o alcaide.

No Instagram, posta retratos dos destinos onde esteve assessorando Bruno, que invariavelmente entra nos comentários.

A agenda é intensa. Como seu antecessor, Bruno vive com a mala pronta e um pé no aeroporto.

Em Paris, onde aconteceu o “Fifth Annual CityLab 2017: Urban Solutions to Global Challenges”, os dois se parabenizaram por “representar nossa cidade de São Paulo”.

Em Nova York, estiveram no “Global Mayors Summit” — e também num show do Red Hot Chili Peppers.

Há registros em praias da Croácia com legendas enigmáticas. “Foi liiiiiindo, foi liiiiiiindo. Boom, boom, explosão!”, anima-se Gustavo.

“Essa foi a universalmente conhecida trip história! Vlw irmão!”, responde Bruno.

Em Santiago do Chile, por ocasião da “Latin American Regional Workshop to reduce short-lived climate pollutants”, encontraram tempo para dar um pulo na vinícola Concha y Toro.

“Créditos da foto e da mão levantada pra vc, Brunão”, diverte-se Pires.

Em Londres, o motivo era o “Think Brasil Iniciative Week”. Como ninguém é de ferro, Gustavo aparece no Stamford Bridge, o fabuloso estádio do Chelsea.

“Triste ver alguém que se diz torcedor fanático usar um cachecol de outro time. Nós não fazemos isso”, escreve Bruno. Gustavo é corintiano.

No final de março, pouco antes de Doria sair em campanha, Covas pediu licença de oito dias. Era o período de férias de Gustavo.

O tour mais recente da dupla foi um repeteco na Big Apple.

Covas participou do SP Investment Day com o intuito de atrair investidores para o programa de desestatização do município.

“Todos acreditamos que o Brasil precisa reduzir o peso do estado na economia”, discursou.

“Em São Paulo, fizemos o máximo para cortar os gastos públicos desnecessários”.

Abaixo, algumas das postagens de Gustavo Pires sobre suas viagens com o prefeito de SP:

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!