Foi proposital? Globo finge fazer propaganda de Moro, mas o expõe ao ridículo completo com a “Edit Piá”

Moro no JN: sem arrependimentos

A decisão da Globo de colocar o ex-juiz Sergio Moro citando, em seu francês de jagunço das Ardósias, canção imortal da pobre Edith Piaf, só pode ter sido coisa de um inimigo do sujeito.

Foram mais de 5 minutos no Jornal Nacional em que ele teve direito a fazer sua defesa com o auxílio do casal de jornalistas que substituíam Bonner e Renata Vasconellos e cujo nome não vem ao caso por serem irrelevantes.

Tudo para ele, no final, destroçasse a pobre Edith Piaf, transformada em Edit Piá, certamente confundindo o “f’ com o “t”.

Ninguém se recupera do ridículo completo.

Moro usou Piaf para reforçar que não se arrepende de nada. Ele está acima disso. Ele é perfeito.

Essa autoindulgência é deplorável.

O perdão, o arrependimento, é uma glória.

Está lá em Gênesis 6:6: “Então, se arrependeu o SENHOR de ter feito o homem na terra, e isto lhe pesou no coração.”

Deus pensou melhor sobre seu erro, mas o ex-juiz é grande demais para isso.

Todo filme ruim americano tem uma cena em que o protagonista diz uma estupidez desse tipo.

É um clichê idiota.

Frank Sinatra imortalizou esse tipo de imbecil em “My Way”, uma ode à arrogância feita por um velho decadente (perdão, Sinatra).

Mas esse é Sergio Moro. Essa é a TV Globo. Esse é o Brasil.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!