França vive nova mobilização contra Reforma da Previdência

Protestos na França. Zakaria Abdelkafi, AFP | A Yellow Vest protester holds a heart-shaped sign reading “French President Emmanauel Macron I hate you with all my heart” in front of the Galeries Lafayette department store, September 28, 2019.

Publicado originalmente no site da RFI

Os franceses se preparam para uma nova greve “decisiva” nesta terça-feira (17) e a situação deve continuar bloqueada até o Natal. A demissão de Jean-Paul Delevoye, arquiteto da reforma da Previdência, não influencia a decisão do Executivo francês de dar continuidade à aplicação das mudanças no sistema de aposentadorias, afirma a porta-voz do governo, Sibeth Ndiaye.

Esta terça-feira está sendo considerada um momento decisivo para o movimento de contestação, que entra em seu 13° dia. Todos os sindicatos, de diversas categorias, convocaram greves e manifestações, incluindo organizações reformistas como o CFDT, o principal sindicato da França. Trabalhadores ferroviários, professores, funcionários públicos, advogados e magistrados, médicos e profissionais da saúde vão às ruas protestar contra as mudanças do sistema previdenciário francês.

Os sindicalistas pedem a retirada do projeto, que cria um sistema único de aposentadoria, extingue regimes especiais e vai obrigar os franceses a trabalhar mais tempo, até 64 anos, para ter direito à pensão em sua integralidade. A chamada “idade de equilíbrio” é um ponto de divergência entre governo e sindicatos. Na tentativa de achar uma saída para a crise, o primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, convidou as organizações sindicais e patronais representativas para reuniões bilaterais de trabalho sobre o projeto, nesta quarta-feira (18), a partir das 14h30.

Nesta quinta-feira (19), o premiê vai se reunir ao mesmo tempo com todos os sindicalistas, para em seguida discutir com os dirigentes das empresas de transportes o resultado dos debates. “Se o governo retirar seu projeto e passarmos a discutir seriamente sobre como melhorar o sistema, tudo ficará bem. Caso contrário, os grevistas decidirão o que fazer quinta ou sexta-feira”, declarou nesta segunda-feira Philippe Martinez, chefe do sindicato CGT. “Entrar em greve é legítimo, mas podemos respeitar momentos como as festas de final de ano, quando todos querem voltar para suas famílias”, reagiu a ministra da Transição Ecológica, Elisabeth Borne.

Sem previsão de acordo

A situação continua caótica na França e a greve nos transportes, por enquanto, paralisa Paris e pode durar até depois do Natal. Nesta terça-feira, oito linhas do metrô permanecerão fechadas e as restantes serão acessíveis apenas de algumas estações.  Apenas duas, automatizadas, funcionarão normalmente, mas vivem constantemente lotadas.

Os trens só vão funcionar em alguns horários.  Os voos também serão afetados, já que os comissários de bordo e pilotos também participam dos protestos. O carro não é a solução: nesta segunda-feira, nas marginais da região parisiense, havia mais de 620 km de engarrafamentos, contra 200 a 350 km em dias normais. Apenas um terço dos trens de alta velocidade está circulando e 4 em cada 10 trens regionais.

Pilar da reforma pediu as contas

Jean-Paul Delevoye, que durante dois anos negociou os moldes de reforma, teve que pedir as contas após ser acusado de conflito de interesses. Segundo a Presidência francesa, ele será substituído “o mais rapidamente possível.” O Executivo lamentou a decisão do Alto Comissário designado pelo governo para articular a reforma da Previdência, que continuará sendo “defendida” e “não será arquivada”, assegurou a porta-voz do Executivo francês, Sibeth Ndiaye, ressaltando que essa demissão de Delevoye “não tinha nenhuma relação com o conteúdo do projeto.”

De acordo com a porta-voz, um novo ministro deve ser rapidamente designado, mas a data não foi especificada. Jean-Paul Delevoye foi forçado a renunciar por suspeita de conflitos de interesse. Ele não havia declarado 13 cargos que exerceu, alguns remunerados, simultaneamente ao cargo no governo, o que é proibido na França.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!