Funcionários e cientistas do Museu de História Natural de Nova York se revoltam com festa para Bolsonaro

Bolsonaro no site Gothamist, que cobre Nova York

A Câmara de Comércio Brasil-EUA pretende homenagear Bolsonaro como “Personalidade do Ano” em 14 de maio numa cerimônia no Museu de História Natural de Nova York.

Os ingressos — alguns a R$ 111 mil — já estão esgotados. 

A recepção gerou um debate intenso na cidade, envolvendo o prefeito Bill de Blasio, que desancou Jair numa rádio.

O site Gothamist é que melhor está cobrindo a história de mais um vexame internacional de Bolsonaro, persona non grata onde quer que vá. 

O Museu de História Natural dos Estados Unidos (AMNH) está enfrentando uma insurreição interna – e a ameaça de demissões e boicotes de funcionários – por sua recusa em cancelar uma festa de gala no mês que vem homenageando o presidente brasileiro Jair Bolsonaro. (…)

A revelação do papel do AMNH no evento provocou confusão e rápida condenação de brasileiros e nova-iorquinos.

O prefeito Bill de Blasio pediu ao museu – que recebeu mais de US$ 16 milhões em subvenções da cidade este ano – para cancelar, chamando evento e local de “uma contradição chocante”.

“Esse cara é um ser humano muito perigoso”, disse De Blasio durante uma entrevista (…). “Ele é perigoso não apenas por causa de seu racismo e homofobia, mas porque ele é, infelizmente, a pessoa com maior capacidade de impactar sobre o que acontece na Amazônia”.

Mas talvez em nenhum lugar a raiva tenha sido tão visceral e organizada como dentro do museu, onde os funcionários dizem que foram surpreendidos pelas notícias e agora estão furiosos com a diretoria da instituição.

“Meu queixo caiu quando descobri”, disse a dra. Susan Perkins, curadora e professora de microbiologia. “Tudo o que acontece no museu reflete sobre nós, e Bolsonaro representa praticamente tudo a que nos opomos: seu tratamento aos povos indígenas, seu desrespeito ao meio ambiente, seus pontos de vista e ações recentes para cortar a pesquisa científica. Achamos chocante que ele venha ao nosso espaço “.

Enquanto vários funcionários registraram sua indignação com o evento, o AMNH não está se mexendo por enquanto. Em uma declaração para Gothamist, um porta-voz descreveu a gala como um “evento externo, privado”, que não deve ser visto como um endosso das opiniões do líder. Esse porta-voz se recusou a dizer se o evento pode ser cancelado, apesar de o museu ter tuittado na quinta-feira que estava “explorando nossas alternativas”.

Enquanto isso, os diretores do museu estão lutando em particular para se distanciar da associação alegando ignorância sobre os detalhes da festa. Em um memorando enviado à equipe na tarde de quinta-feira, o reitor Michael Novacek e o vice-presidente de Recursos Humanos Daniel Scheiner disseram que “compartilham uma profunda preocupação” com a gala da Câmara de Comércio, observando que “foi reservada antes do homenageado específico ser anunciado”.

Em resposta, alguns funcionários apontaram que a escolha de Bolsonaro foi divulgada meses atrás – e abordada na imprensa brasileira em fevereiro – e sugeriu que a alta gerência do museu deveria estar ciente. (…)

Até a tarde de sexta-feira, funcionários dos departamentos científicos, de bibliotecas e de educação do museu estavam no processo de coordenar várias iniciativas para forçar o museu a desistir do evento. (…)

E, se não funcionarem, ativistas da organização Decolonize This Place contam ao Gothamist que não têm intenção de permitir que o evento ocorra sem perturbações. “Eles cancelam ou nós acabamos com a festa”, disse o organizador Amin Husein. “É simples assim.”

Em uma carta aberta dirigida à administração do AMNH, cientistas de museus e estudantes de pós-graduação do Richard Gilder Graduate Center estão exigindo que o evento seja cancelado, descrevendo-o como “uma mancha na reputação do museu”.

A carta continua citando a presidente do AMNH, Ellen Futter, que anteriormente escreveu que era o trabalho dos museus de história natural “documentar, proteger e celebrar o mundo natural” e oferecer pistas “sobre como podemos protegê-lo no futuro. “

A carta aberta conclui: “Uma das maneiras pelas quais podemos proteger o futuro das populações indígenas brasileiras, cientistas, cidadãos e esforços de bioconservação é recusar o acesso ao nosso lar institucional coletivo para o presidente fascista que preferiria ver esses povos e esforços destruídos”.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!