Fux “mata no peito” e suspende investigação do caso Fabrício-Bolsonaro. Por Fernando Brito

Fabrício Queiroz (esquerda) em jogo de futebol com Flávio Bolsonaro Foto: Reprodução

Publicado por Tijolaço

Por Fernando Brito 

O deboche está patente: Luís Fux suspendeu a investigação sobre as movimentações financeiras de R$ 1,2 milhão anuais do ex-PM Fabrício Queiróz, amigo de Jair Bolsonaro e ex-assessor – com mulher e filhos pendurados também – no gabinete do senador eleito Flávio Bolsonaro, filho do “homem”.

O curioso é que Flávio, ao que se saiba, nem mesmo investigado é, tinha sido chamado na condição de testemunha e, estranhamente, se recusado a dar informações sobre o caso, o que não é facultativo, mas obrigatório e – aí, sim, com a recusa em comparecer – até objeto de pedido de condução coercitiva.

O caso, que já corria em sigilo, sem os vazamentos que marcaram toda a onda de investigações sobre políticos, agora vai ficar trancado a sete chaves.

Não se ouviu, até agora, um pio de Moro, Dallagnol e de toda a turma que dizia que “a lei é para todos” e que o povo tem o direito de saber o que se passa nos gabinetes políticos.

Vai se cumprindo o que há tempos vem sendo dito aqui: o ex-Supremo tornou-se, à toda evidência, o Ínfimo Tribunal Federal.

É composto daqueles antigos “juízes da roça”, sempre dóceis aos desejos do “coronel”.

Aliás, nem isso: aos do capitão.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!