Gilmar é o retrato do atraso da justiça brasileira

Gilmar Mendes

Gilmar Mendes passará para a história como o retrato do atraso do sistema jurídico brasileiro em nossos tempos.

Dois episódios recentes são patéticos.

Primeiro, o Ministério Público arquivou a denúncia de que Lula teria pressionado Gilmar para que fosse protelado o julgamento do Mensalão.

Gilmar, informa o MP, simplesmente ignorou dois pedidos para que prestasse esclarecimentos sobre a alardeada pressão – noticiada pela Veja e amplamente repercutida em jornais e revistas. Os colunistas neolacerdistas consumiram, em torno do assunto, um papel precioso para o Planeta Terra.

E eis que Gilmar silencia. Como restou ao MP verificar o caso à luz somente das palavras publicadas pela Veja, o caso foi arquivado. Gilmar falou quando não deveria, e na hora em que foi chamado oficialmente a falar se calou.

Mas voltou a falar – de outro assunto. Segundo o jornalista Fred Vasconcellos, da Folha, Gilmar presidiu um júri simulado na Escola Paulista de Medicina em que o tema era a saúde e a justiça. O evento foi aberto por diretores do Plano de Saúde Unimed, que em agosto proporcionou uma boca-livre para 100 juízes no Guarujá.

Bocas livres dessa natureza são uma praga no Brasil: elas corrompem sem que possam ser caracterizadas, legalmente, como corruptoras. Estão espalhadas por quase todos os ramos dos negócios.

Laboratórios fazem frequentemente isso. Promovem bocas livres – “seminários” — em lugares lindos e em hotéis caros no esforço de influenciar médicos a receitar seus remédios. Uma amiga médica me conta que este é um tema que os médicos têm debatido no campo da ética.

No jornalismo, não é diferente. Em minha última passagem por uma empresa, como diretor editorial da Editora Globo, tentei combater isso com a elaboração de um manual de ética depois que soube que o diretor de redação da Época Negócios, Nelson Blecher, retornara de uma boca livre com mais de uma dezena de brindes caros.

Me desgastei e afinal não tive sucesso: logo depois que saí, soube que Blecher voltara à mesma boca livre, agora em outro lugar – e na companhia do diretor geral da Editora Globo, Frederic Kachar. Ambos, Kachar e Blecher, são dois dos mais ávidos caçadores de jabas e mordomias que conheci em minha carreira.

Gilmar não deu um bom exemplo ao presidir um júri simulado em que o maior interessado era e é um plano de saúde.

Também não deu ao deixar de atender ao pedido de  esclarecimentos do Ministério Público sobre a suposta pressão que teria sofrido.

Disse outro dia, em outro posto, que o Brasil avançou mais, nos últimos anos, que a mídia brasileira. Acrescento: avançou mais, também, que a justiça brasileira.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!