Giraffas, cujo dono é bolsonarista, troca filé por coxão duro no cardápio com a inflação

Veja Carlos Guerra
Carlos Guerra, CEO do Giraffas. Foto: Reprodução

Giraffas, rede de fast-food, fez a terceira remarcação de preços em 2021, segundo reportagem da Folha de S.Paulo. Por isso, o cardápio precisou ser modificado. Saiu de cena o prato feito com filé mignon e entrou o coxão duro.

LEIA MAIS:

1 – FHC diz em quem votou nas prévias do PSDB; Saiba em quem ele votou

2 – Sabadão: Haddad fala ao DCM sobre Bolsonaro, Moro, Lula, Alckmin e até de Ciro

3 – Magno Malta quer o Senado em 2022; Saiba por qual partido

Giraffas encarando a inflação

De acordo com Carlos Guerra, CEO da empresa, é a inflação voltando a dar as caras com mais força, especialmente nos alimentos.

“Não tenho nenhuma saudade da hiperinflação, mas a minha experiência na época está sendo aproveitada agora de novo, já que muitos dos executivos da rede, mais jovens, não têm esse histórico”.

Carnes chegaram a cair 0,31% em outubro, segundo o IPCA-15, do IBGE —considerada a prévia da inflação oficial do país—, o primeiro recuo em 16 meses. Mas acumula alta de 22,06% no acumulado dos últimos 12 meses.

Por isso, o cenário fez o Giraffas renegociar contratos com fornecedores e fazer mudanças no cardápio.

Eles lançaram uma promoção de três produtos com frango, todos abaixo de R$ 20 (o sanduíche sai a R$ 9,90), e tirou o filé mignon do cardápio.

“Estava vendendo pouco e era muito caro para o nosso público. Por outro lado, estamos vendendo muito bem o Churrasquito. É um produto de boa qualidade, macio e com um custo bem competitivo, R$ 21,90”, completou.

O filho de Guerra, Alexandre, chegou a fazer terrorismo com seus funcionários em um vídeo, indo contra o isolamento social na pandemia. Alexandre Guerra foi afastado da empresa por essa gravação, em que defendia uma ideia de Bolsonaro mesmo sem citar seu nome.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link 

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link