Gleisi: Não há meia suspeição de Moro nem pode haver meia justiça para Lula

Lula e Moro. Foto: Reprodução

Originalmente publicado no SITE DO PT

Por Gleisi Hoffman 

É notável que a Folha de S. Paulo, em seu editorial deste sábado, junte-se a outras vozes na imprensa que vêm reconhecendo o insofismável: Lula merece um julgamento justo, diante da parcialidade do ex-juiz Sergio Moro, rigorosamente descrita no habeas corpus apresentado pelos advogados do ex-presidente em 2018, que aguarda conclusão de julgamento no Supremo Tribunal Federal, e escancarada de forma contundente nos diálogos que a defesa vem acostando aos autos.

Mas é também notável que a Folha, assim como outros protagonistas agora envergonhados da cruzada pela prisão de Lula, sustente que a suspeição de Moro seja circunscrita ao caso do tríplex. Como se as outras condenações da Vara de Curitiba – e note-se que Lula foi absolvido por todos os demais juízes que já decidiram em ações contra ele – não estejam contaminadas pelas graves ilegalidades que a Folha trata delicadamente de “extravagâncias” e “heterodoxias”.

Moro comandou a Lava Jato desde antes da apresentação das denúncias que ele viria a instruir e julgar com o objetivo previamente traçado de condenar Lula e exclui-lo do processo eleitoral. Tratou o acusado como inimigo pessoal e político. É isso que a lei define como suspeição e falta de imparcialidade de um juiz, e que vem a somar-se ao imenso rol de ilegalidades cometidas por ele e pelos procuradores para cercear a defesa, forjar provas e manipular a opinião pública contra seu alvo, com a indispensável cumplicidade da mídia.

A parcialidade de Moro contaminou todas as ações da Lava Jato contra Lula, sem exceção. Desde as manobras e chantagens, até mesmo contra ministros de tribunais superiores, para usurpar a competência sobre investigações que não eram da Vara Federal de Curitiba, até o balcão de compra e venda de delações direcionadas unicamente a condenar Lula. As digitais do ex-juiz estão nas escutas ilegais, de advogados e até da presidenta Dilma, nas prisões arbitrárias, nas apreensões ilegais e até na sentença da juíza que o substituiu; na conveniente cegueira dos que confirmaram suas sentenças.

Não sei que espécie de jurista o jornal consulta para difundir a tese – esta sim, extravagante e heterodoxa – de que a suspeição em relação ao réu se aplicaria a determinado processo e não à pessoa do magistrado que neles atua. Não é o que diz a lei nem a doutrina. Não há meia suspeição nem meia justiça. Enveredar por um caminho injurídico, para limitar ao caso tríplex os efeitos do habeas corpus que abrange explicitamente todos os atos de Moro em relação a Lula, seria confirmar a natureza essencialmente política da perseguição judicial ao ex-presidente.

Deve ser realmente difícil para a Folha e os demais protagonistas desta caçada reconhecer o papel que exerceram na maior farsa judicial da história.

Certamente por isso as petições da defesa de Lula ao STF com os indecentes diálogos não estejam nas manchetes, como estiveram os pedalinhos dos netos de Lula, as conversas íntimas de dona Marisa com os filhos, as acusações sem provas de qualquer candidato a delator. Precisam se agarrar a outra farsa, a de que a Lava Jato teria combatido a impunidade, quando de fato corrompeu a justiça e legalizou a corrupção de dezenas de delatores que seguem livres e ricos, depois de traficar com os procuradores um mero pedágio sobre suas fortunas.

Vai demorar ainda para que toda a verdade venha a ser reconhecida e conhecida pelo conjunto do país. A mentira custou a Lula 580 dias de prisão ilegal, que nenhum editorial poderá apagar, e o roubo de seus direitos políticos que ele busca recuperar no habeas corpus que o Supremo Tribunal Federal ainda não acabou de julgar. E custou ao Brasil um dano incalculável, que está sendo cobrado especialmente de milhões de desempregados e famílias destruídas por um governo de destruição nacional, o verdadeiro produto da Lava Jato e dos que sustentaram esta farsa.

A reconstrução do país, da credibilidade do Judiciário e da esperança no futuro começa, necessariamente, pela anulação dos processos contra Lula que estão raiz da tragédia brasileira. Todos, sem exceção.