Governo terceirizado: Bolsonaro vai virar a rainha do planalto. Por Ricardo Kotscho

Jair Bolsonaro. Foto: Evaristo Sá/AFP

PUBLICADO NO BALAIO DO KOTSCHO 

POR RICARDO KOTSCHO

Como aconteceu em 1969, durante o impedimento do marechal Costa e Silva, o Brasil vem sendo governado desde janeiro por uma junta.

Sim, só que desta vez é uma junta formada por civis.

Em lugar dos comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, o triunvirato que governa o Brasil de fato é integrado pelo banqueiro Paulo Guedes, que cuida da Economia, o xerife Sergio Moro, responsável pela Segurança Pública e o aloprado astrólogo Olavo de Carvalho, que lá do seu exílio nos Estados Unidos manda na Educação e Cultura, nas Relações Exteriores, e no resto.

Para completar a terceirização do governo, o plenário do Senado deve aprovar nesta quarta-feira a PEC 48, que na prática institui o sistema semiparlamentarista de governo, a partir de 1º de janeiro.

Chamado de “sistema semiparlamentarista informal”, a estrovenga transfere ao Senado e à Câmara a elaboração e a aplicação do grosso do Orçamento, já a partir de 2010.

Ou seja, praticamente toda a gestão do Orçamento ficaria a cargo de deputados e senadores, sem necessidade de passar pela aprovação do governo federal.

Restará a Jair Bolsonaro o papel de “Rainha do Planalto”, podendo dedicar todo seu tempo a participar de cerimônias militares e cultos evangélicos, rodando por templos e quartéis, além de dizer desaforos aos jornalistas, cada vez que entra ou sai do Alvorada.

Se o presidente já não faz a menor ideia do que acontece nos seus ministérios mais importantes, entregues de porteira fechada aos cuidados da junta Guedes-Moro-Olavo, com a aprovação da PEC 48 o que lhe resta de poder passará para o comando dos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara, Rodrigo Maia, o que na prática já acontece.

Com a agenda presidencial esvaziada, o capitão poderá cuidar do seu único objetivo declarado no governo: destruir as instituições democráticas e reinar absoluto nas redes sociais para tocar o “gado bolsonarista” rumo ao seu projeto de reeleição.

A retaguarda jurídica está garantida pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, e o procurador-geral da República, Augusto Aras, fiéis servidores que cuidarão da sua impunidade e manterão seus adversários à distância, de preferência presos.

Assim, sem que a população perceba o que está acontecendo em Brasília, o Brasil dá mais um passo à beira do abismo.

Incapaz de decidir sozinho nem quem vai representá-lo ou não na posse do novo presidente da Argentina, Alberto Fernandez, mudando várias vezes de opinião, Bolsonaro encontrará tempo para arrumar encrenca até com Greta Thunberg, a menina sueca de 16 anos, que roda o mundo em defesa do meio ambiente, um dos inimigos juramentados do presidente em exercício.

Só não entendo uma coisa: por que, para quem e para que o capitão quer tanto a reeleição?

Já não basta o estrago que pode fazer em quatro anos de mandato?

Vida que segue.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!