Grupos armamentistas, como o MBL, estão preparados para tomar bala das pessoas que eles atacam? Por Donato

Arthur Molejo, do canal do Youtube do MBL, e Eduardo Bolsonaro

 

Há um ponto em comum entre os movimentos sociais de direita como o MBL e o tal Direita São Paulo que convocou ato contra a lei de imigração nesta semana: todos defendem a revogação do Estatuto do Desarmamento e desejam uma corrida armamentista da população.

Para eles esse é o mundo ideal. O lema do macabro Movimento Viva Brasil é ‘não estamos falando de armas, estamos falando de liberdade’.

Tudo bem. Façamos então um exercício imaginativo dessa tal ‘liberdade’: E se os imigrantes palestinos agredidos pela turma do Direita São Paulo tivessem fuzis para se defender?

E se José Dirceu sacasse uma pistola, baixasse o vidro do carro e abrisse fogo contra as pessoas que invadiram a garagem de seu prédio em sua chegada após sair da prisão?

Ou ainda se o pobre Samir Ali Sati, morador de rua, apontasse uma arma para a cabeça o agente da Guarda-Civil Metropolitana ao perceber que seria covardemente agredido?

Tudo bem, certo? Tudo legítima defesa.

E que tal se, no próximo dia 10, as caravanas pró e contra Lula que estarão em frente ao prédio onde o petista prestará depoimento a Moro fossem repletas de gente armada? Coisa linda, hein?

Esses movimentos são compostos de alienados vítimas de discursos raivosos de gente que tem interesses por trás bem maiores que a tal ‘liberdade’ proclamada. O dinheiro do mercado de armas é o que realmente interessa. E por pouco a coisa não evoluiu satisfatóriamente aos belicistas recentemente.

Há cerca de um mês a bancada da bala – liderada pelo deputado Alberto Fraga (DEM-DF) – fez uma coleta relâmpago de assinaturas para pedir votação em regime de urgência na Câmara do projeto 3.772, que facilita a compra e o porte de armas de fogo.

O presidente da Casa, Rodrigo Maia, é um aliado da turma e a coisa toda só não andou com a pressa desejada porque apareceu uma questão ainda mais premente aos interesses da bancada da bala, repleta de ex-policiais: as aposentadorias da categoria.

Os quase 40 deputados da bancada da bala esqueceram momentaneamente a questão do armamento da população, fizeram mira contra a reforma previdenciária e lutaram pela manutenção das regras diferenciadas para aposentadorias de policiais. O golpista acuado Michel Temer cedeu.

Dizendo-se porta-vozes de uma ‘gente de bem’ amedrontada pelo que tem assistido nos programas do Datena, esses deputados – e grupelhos como MBL e Direita São Paulo – saem repetindo frases feitas que mesclam mantras com ameaças do tipo ‘só o cidadão honesto está desarmado. Isso vai mudar em breve!’.

Referem-se ao apoio que fazem ao projeto 3.722, do deputado Rogério Peninha (PMDB-SC), no qual qualquer pessoa a partir de 21 anos de idade poderá comprar sua arma, obter o porte será simples como tirar habilitação para dirigir e até mesmo a restrição para aqueles que respondem a inquérito policial ou a processo criminal deixa de existir.

Essa lei substituiria a vigente que determinava que somente podem portar arma de fogo os policiais civis, militares, federais e rodoviários, os integrantes das Forças Armadas, agentes de inteligência, guardas prisionais, auditores fiscais e profissionais de segurança pública ou privada (desde que em serviço).

O Brasil já ocupa o primeiro lugar num ranking mundial de homicídios por armas de fogo (em números absolutos). Ainda assim tem gente que acredita que mais armas circulando sejam a solução.

Alguém me ajuda a desenhar para essa turma de modo que entendam que o aumento do volume de armas de fogo em circulação resultará na explosão dos índices de violência?

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!