“Há monstros dentro dos carros”

O cicloativista Daniel Guth conversou com o Diário sobre o atropelamento de um ciclista na Paulista e o vício da cidade em automóveis.

A bicicleta destruída de David dos Santos, na Paulista
A bicicleta destruída de David dos Santos, na Paulista

Se fosse um filme de horror, você acharia fantástico demais. Na manhã de domingo (10), David Santos de Souza, 21 anos, foi atropelado por Alex Siwek na Avenida Paulista. Alex estava alcoolizado, andando em ziguezague, de acordo com testemunhas. David estava de bicicleta na ciclofaixa. Com o impacto, seu braço foi decepado e ficou preso nos estilhaços do parabrisa. Ele se encaminhava para o trabalho, num prédio próximo ao HC.  Está internado no Hospital das Clínicas e seu estado de saúde é estável. O motorista responde por tentativa de homicídio culposo.

“É tão absurdo que eu só consigo pensar que o cara estava em surto”, diz o cicloativista Daniel Guth. Um das vozes mais combativas nessa área, Guth atua com administração pública desde 2005. Foi assessor da Secretaria de Educação e coordenador da implantação de ciclofaixas de lazer em São Paulo. Ele é co-criador do Libvee, um movimento que enxerga as bikes como símbolo de civilidade.

Guth conversou com o DIÁRIO sobre o ocorrido com David de Souza.

Esse caso dá a dimensão da tragédia das mortes por causa de gente que dirige alcoolizada em São Paulo. Como é que alguém atropela uma pessoa, leva o braço dela, deixa o amigo em casa e depois tenta se livrar da “prova”? Estamos criando monstros dentro dos automóveis. É resultado de um século de dominação da indústria automobilística, com um histórico de impunidade. Não tem fiscalização ou polícia. A Justiça demora a ser feita.

Pior é culparem o ciclista. A ciclovia estava montada e funcionando. O artigo 58 do Código de Trânsito diz que o ciclista deve andar no bordo da via. Ele estava completamente legal.

Há uma tendência em culpar os ciclistas. Foi o que aconteceu com o Thor Batista, que estava acima de velocidade e matou uma pessoa. As pessoas precisam se lembrar de que o carro é uma arma.

O motorista Alex fala com a polícia
O motorista Alex fala com a polícia

A cidade vai conseguir conviver com as bicicletas?

São Paulo tem uma dívida histórica com o ciclismo. Passou do momento de ter uma solução. A Paulista não é dos carros. Ela tem as condições perfeitas para se pedalar. Alguém tem de chamar para si a responsabilidade por fazer esses espaços serem de convivência e não de guerra. O mundo está discutindo isso. Por que em São Paulo a coisa não avança?

Só em 2007 o planejamento cicloviário passou para a Secretaria de Transportes (era da Secretaria do Verde e Meio Ambiente). A melhor maneira de incluir a bicicleta no trânsito é fazer com que mais bicicletas circulem. Bogotá investiu em infra-estrutura e teve um resultado interessante. 5% do movimento do trânsito chegou a ser das bicicletas. Em São Paulo, segundo dados de 2007, eram 0,62%. Suponho que esse número cresceu, mas pouco. Quanto mais ciclistas nas vias, mais seguros ficaremos. Márcia Prado morreu há cinco anos na Paulista, atropelada por um ônibus. Júlia Dias morreu do mesmo jeito, no ano passado. Há soluções baratas e práticas.

Qual o modelo mais interessante que você viu recentemente?

O exemplo mais visível de convivência que eu vi, nos últimos anos, foi na capital do Vietnã, Hanoi. É uma bagunça. Carros, motos, bicicletas. Ninguém obedece os faróis. Mas todos se respeitam a andam juntos. É cultural.

De onde vem essa dependência do automóvel?

São Paulo ainda tem a cultura da rodovia, da highway, do Minhocão… É preciso superar essa visão. A classe média que mora longe do trabalho sofre com isso. Eu moro a 3 quilômetros do trabalho e posso ir de bike. Há projetos completamente equivocados. A ciclovia da Radial Leste, para ficar em apenas um, liga o nada a lugar nenhum. Não dá para sair dela!

Precisamos deixar de ser autistas e enxergar o que acontece lá fora. Esses carros SUV são uma aberração. É fundamental incluir o ciclista, ao invés de vê-lo como um invasor. Acho que, hoje, nem os motoristas querem mais isso. 

Daniel Guth
Daniel Guth

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!