Haddad detona Moro e Dallagnol por perseguirem Lula: “Estão no banco dos réus”

Haddad Moro
Haddad criticou a ação de Moro e Dallagnol

Haddad criticou Sergio Moro e Dallagnol e destacou que os dois perseguiram o ex-presidente Lula. O ex-ministro da Educação apontou que a verdade apareceu para os eleitores.

“Eu acho que quem estão no banco dos réus hoje são o Moro e o Dallagnol. Hoje tem um artigo do O Globo que praticamente desnuda toda confusão que o Sergio Moro aprontou na política. Por causa das suas ambições pessoais. A gente sabe que é um sujeito ambicioso”, destacou.

“Foi ministro em troca de favores. Pretende se candidatar. E é uma pessoa que desmoralizou uma operação que tinha todo respaldo dos nossos governos para ser concretizado. Todas as legislações anticorrupções mais duras aprovadas no Brasil são da lavra do governo do PT”, acrescentoiu.

Ele explicou que o caso de Lula foi levado para ONU. “Eu tenho certeza que as Nações Unidas vão condenar a Operação Lava-Jato no que se diz respeito ao presidente Lula. A verdade tá vindo à tona e até numa velocidade razoável”, ressaltou.

Por fim, destacou a reportagem do DCM, em que mostra Dallagnol sendo responsável por forjar delações contra o PT. “Acho que deveria ter uma CPI sobre a Força-Tarefa de Curitiba. Leia-se Moro e Dallagnol”, opinou Haddad.

Leia mais:

1 – VÍDEO: Moradores de Fortaleza (CE) procuram comida em caminhão de lixo em bairro nobre

2 – Fafá de Belém diz que prepararia maniçoba para Bolsonaro e desperta fúria de Carluxo

3 – VÍDEO: Luciano Huck erra significado da música de Harry Styles, e web não perdoa

Haddad relembra que PT criou mecanismos para combater a corrupção

Ele relembrou que o PT foi quem mais trabalhou para combater a corrupção no Brasil. E ainda fez uma crítica aos jornalista.

“Eu vi agora um debate aqui na GloboNews sobre a autonomia do Ministério Público. O único partido que respeitou 100% a autonomia do MP foi o PT. Ninguém respeitava o primeiro da lista tríplice nem antes e nem depois. E não se cobra mais nada disso. Infelizmente, a própria imprensa não elogiava as medidas do nosso governo para combater a corrupção”, concluiu.