Hamílton Mourão e João Goulart: o que há em comum na viagem dos vices à China em tempos de crise

Mourão e Goulart, vices na China

Hamílton Mourão na noite deste sábado na China para representar o governo brasileiro em encontros de alto nível. Oficialmente, a viagem é tratada como decisiva para a manutenção das boas relações comerciais entre os dois países, ameaçadas desde que Bolsonaro fez declarações hostis sobre a China.

“Os chineses não estão comprando no Brasil. Eles estão comprando o Brasil”, disse ele diversas vezes.

Durante a pré-campanha, Bolsonaro visitou Taiwan, que era parte do território chinês até a revolução liderada por Mao Tsé-Tung.

Foi uma atitude desafiadora à soberania da China e à própria posição histórica do Brasil, que tem relações diplomáticas apenas com os chineses do continente, não com os da ilha, que a China considera um território rebelde.

A visita de Mourão, no entanto, trouxe de volta um fantasma de 1961, quando Jânio Quadros, então presidente, incentivou uma viagem de João Goulart para a China.

Enquanto Jango se encontrava no exterior, o então presidente apresentou sua renúncia ao Congresso Nacional, numa atitude que, segundo revelou anos mais tarde ao neto, fazia parte de uma estratégia para adquirir mais poder, uma espécie de auto-golpe.

O plano deu errado, porque não houve as esperadas manifestações populares, e o Congresso Nacional tratou a renúncia como ato unilateral, sem necessidade de aprovação pelo Legislativo.

Com isso, terminou o breve governo de Jânio Quadros — que durou apenas sete meses. Ao mesmo tempo, teve início um crise institucional.

Os chefes militares não queriam que João Goulart retornasse — ameaçavam prendê-lo se pisasse no território brasileiro.

Ainda assim, 31 dias depois, ele retornou, depois de fazer uma longa viagem pelo Pacífico, com desembarque no Rio Grande do Sul, onde contou com uma grande manifestação popular organizada por Leonel Brizola.

A posse de João Goulart foi garantida com a rede da legalidade, também organizada por Brizola, na época governador gaúcho.

Ele assumiu, mas com poderes limitados, já que houve um arranjo institucional para que se instalasse o parlamentarismo.

Goulart assumiria as prerrogativas presidenciais alguns meses depois, quando houve um plebiscito em que a maioria votou pela volta do presidencialismo.

Uma curiosidade: nessa campanha pelo sim ao presidencialismo, Goulart teve apoio de Roberto Marinho, do jornal O Globo.

Pouco tempo depois, Goulart seria deposto por meio de um golpe que teve apoio decisivo de Roberto Marinho, que, como empresário na área de comunicação, viria a acumular mais poder, muito poder.

Foi nesse período que ele criou a TV Globo, com a consolidação de concessões públicas marcadas por atos que uma CPI do Congresso definiu como ilegais.

Por conta dessa retrospecto, a viagem de Mourão despertou preocupação em alguns. O conselheiro do Tribunal de Contas do Estado Roque Citadini afirmou, através do Twitter:

“Não quero espalhar pânico, mas o vice Mourão está em viagem a China. Quem conhece história entende”.

Ele postou o tuíte depois que Bolsonaro compartilhou um texto em que o autor — uma pessoa sem nenhuma relevância política — defendia uma ruptura institucional e falava da dificuldade de governar o Brasil com as atuais forças políticas e econômicas.

“A idéia de que o Brasil é um pais inviável não é nova. Ingovernável, caótico, sem futuro é papo antigo de área da direita. Com muitas justificativas: colonização portuguesa; católica; índios etc. Tudo misturado para apontar o caos perpétuo. Tudo asneira. Inviáveis são essas ideias”, escreveu.

Mas existe ou não motivo para se preocupar?

Com Bolsonaro, sim. Ele nunca escondeu o que pensa.

Em 1999, foi questionado em um programa de televisão se fecharia o Congresso Nacional se se elegesse um dia presidente da República:

“Não há menor dúvida. Daria golpe no mesmo dia. Não funciona e tenho certeza de que pelo menos 90% da população iam fazer festa, iam bater palma, porque o Congresso hoje em dia não serve para nada. Só vota o que o presidente quer. Se ele é a pessoa que decide, que manda, que tripudia em cima do Congresso, dê logo o golpe, parte logo para a ditadura.”

O cenário histórico, porém, é muito diferente.

Em 1961, o Brasil não tinha relações diplomáticas com a China, e os militares não tinham ainda passado pela experiência de ser governo — depois de alguns anos, foram rejeitados.

Além disso, o militar no governo é Hamílton Mourão, não Bolsonaro, que teve uma curta carreira nos quartéis.

Por atos de indisciplina, foi considerado um mau militar, um “bunda suja”,  e chegou a ter sua entrada proibida nos quartéis depois que se tornou político.

A reconciliação com a cúpula militar se daria anos mais tarde, quando foi adotado num projeto eleitoral engendrado pela cúpula das Forças Armadas.

Ainda assim, como se viu por episódios recentes, a relação é tensa.

Portanto, para viabilizar seu projeto de fechar o Congresso, ele teria que contar apoio popular expressivo, como Alberto Fujimori no Peru na década de 90.

Mas a realidade é que, em 100 dias de governo, Bolsonaro viu sua popularidade ruir de 51% para 35% — se houvesse uma pesquisa hoje, é provável que nem chegaria a 30% o percentual dos brasileiros consideraram sua gestão (sic) ótima ou boa.

A seu modo, destrambelhado, Bolsonaro tenta reverter esse quadro.

Na internet, tentou-se levantar uma hashtag para atrair apoiadores. Mas a ideia queimou na largada, quando a frase o apresentou como Boldonaro — daí a desconfiança de que, por trás da operação, tenha a mão invisível de robôs.

Ao mesmo tempo, alguns de seus aliados investem na ideia de organizar atos públicos em seu apoio no próximo dia 26, domingo da semana que vem. A iniciativa, contudo, não conta com o apoio nem de quem, até alguns semanas atrás, usava camiseta em apoio a Bolsonaro, como Alexandre Frota e Joice Hasselmann.

No livro O 18 Brumário de Napoleão, Karl Marx toma emprestado um conceito do filósofo Hegel para dizer que, no mundo, todos os fatos e personagens de grande importância na história ocorrem duas vezes — a primeira como tragédia, a segunda como farsa.

Se este conceito estiver correto, Bolsonaro está na fase da farsa.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!