Happy Valley: a série certa para quem gosta de suspense. Por Camila Nogueira

Sarah Lancashire como Catherine Cawood
Sarah Lancashire como Catherine Cawood

Nos últimos tempos, poucas séries foram agraciadas com tantas críticas positivas, prêmios (sendo o mais notório entre eles o BAFTA de Melhor Série Dramática) e notoriedade quanto Happy Valley.

Até o presente momento, a série conta com duas temporadas de seis episódios, e seu sucesso levou-a a ser renovada para uma terceira. A primeira temporada pode ser encontrada na Netflix. Em sites especializados, no iPlayer da BBC e possivelmente nas lojas britânica e americana do iTunes, pode-se encontrar a segunda temporada, cujo último episódio foi ao ar no dia quinze deste mês.

Situada em uma pequena cidade em West Yorkshire – chamada, ironicamente, Happy Valley, visto que está muito longe de ser um “vale feliz” –, a série gira em torno da vida pessoal e profissional de sua protagonista, a sargenta Catherine Cawood, interpretada por Sarah Lancashire. Não é uma vida particularmente suave ou agradável, como a personagem indica no primeiro capítulo, quando tenta dissuadir um rapaz da ideia de cometer suicídio:

                        “Meu nome é Catherine, por falar nisso. Eu tenho quarenta e sete anos. Eu sou divorciada. Vivo com a minha irmã, que está se recuperando do vício em heroína. Tenho dois filhos adultos – uma está morta, o outro não fala comigo – e um neto”.

Não é preciso dizer que o rapaz – cujo maior problema consistia no término de um relacionamento amoroso – percebe que, no fim das contas, talvez ele esteja sendo um pouco dramático, e desiste da ideia de se matar.

São muitos os motivos para incluir Happy Valley em sua lista de séries por assistir – a produção da BBC, sempre impecável; as premiadas atuações de Sarah Lancashire, a heroína, e de James Norton, o vilão; o roteiro de Sally Wainwright, famosa por séries como Last Tango in Halifax e Sparkwook; e, naturalmente, um enredo que o fará entreter-se muito prazerosamente durante horas agradáveis e recheadas de tensão e suspense.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!