O primeiro grande historiador do século XXI. Por Emir Sader

historiador
Historiador Peter Frankopan

“Todos os caminhos costumavam levar a Roma. Hoje levam a Pequim.” A afirmação provocativa do historiador inglês Peter Frankopan está estampada na ultima capa do seu livro “As novas rotas da seda”, para expressar o caráter radical novo da obra desse autor, que pode ser considerado o primeiro grande historiador do século XXI.

O que caracteriza sua obra, para poder ser considerada dessa forma? Dois dos seus livros são o centro das suas teorias. O primeiro, O Coração do mundo, que tem como subtítulo: Uma nova historia universal a partir da Roda da Seda: o encontro do Oriente com o Ocidente. (Nota: Editora Critica, São Paulo, 2019).

Na sua apresentação, Frankpoan já enuncia suas preocupações maiores: “Hoje dá-se muita atenção a avaliar o provável impacto do rápido crescimento econômico da China, onde se prevê que a demanda por bens de luxo irá quadruplicar na próxima década, ou acompanhar a mudança social na Índia, onde as pessoas que tem acesso a celular superam em numero as que dispõem de privada com descarga.”(Nota: Idem, pg. 14)

Desde os primórdios dos tempos – diz ele – o centro da Ásia é onde os impérios foram criados. O principal comercio de mercadorias de alto valor era o comercio da seda. Pela serie de papeis importantes que a seda tinha, chegou a ser moeda internacional e não apenas um produto de luxo.

Depois de abordar o surgimento da Rota da Seda, a dos credos religiosos, a do islamismo, a da escravidão, ele chega até “à nova aurora, que levou a Europa ao centro do palco”, mesmo com o terrível sofrimento dos povos recém descobertos. “A Era dos Impérios e a ascensão do Ocidente foram construídas com base na capacidade de infligir violência em grande escala. O Iluminismo e a Era da Razão, a progressão para a democracia, para a liberdade civil e os direitos humanos, não foram resultado de uma cadeia invisível remontando a Atenas na Antiguidade ou a um estado de coisas natural na Europa: foram fruto do sucesso politico, militar e econômico em continentes distantes ” (Nota: Idem, pg. 231) Pela primeira vez na historia a Europa ocupava o coração do mundo.

A passagem do século XX para o século XXI representou “uma espécie de desastre para os Estados Unidos e a Europa, conforme travaram a fatídica luta para manter suas posições nos territórios que ligam o Oriente ao Ocidente.

No seu ultimo livro – até agora, quando está escrevendo uma grande obra sobre a trajetória da questão ecológica ao longo do tempo -, Frankopan resenha suas teses clássicas e as atualiza, com o desenho de um mundo cujo eixo voltou para a Ásia, com a decadência definitiva da Europa e do eurocentrismo e o declínio da hegemônica norteamericana.

Sua obra é daquelas que recolocam os horizontes de interpretação do mundo – passado, presente e futuro – e por isso pode ser considerada radicalmente inovadora. Por isso considero que ele é o primeiro grande historiador do século XXI. Aquele que acompanha e resgata as grandes transformações das ultimas décadas do século XX e as primeiras do século XXI.

Os maiores historiadores do século XX – entre os quais Eric Hobsbawn foi certamente o mais sistemático e o de maior transcendência, embora tenha havia uma plêiade de grandes historiadores, na sua grande maioria britânicos -, com todas as grandes interpretações que nos deram sobre um século tão marcante como foi aquele, foram prisioneiros das transformações promovidas pela Revolução Industrial – com toda a plêiade de outros fenômenos que a acompanharam – e do eurocentrismo.

O que resgata Frankopan é um mundo que resgata trajetórias muito mais remotas e que nos projetam para o século XXI em uma perspectiva muito mais ampla e que descortina o futuro de forma muito mais aberta do que as perspectivas que o século passado pareciam nos apresentar. Não é apenas a Ásia – e a China em particular – que são recuperadas e resgatadas em toda sua trajetória milenar. E’ o mundo, no seu conjunto, que é recuperado no subtítulo do seu livro: Uma nova historia universal a partir da Rota da Seda: o encontro do Oriente com o Ocidente.

Uma das grandes questões que temos que nos colocar é como repensar a América Latina nesse novo marco. Fomos sempre um subproduto do Ocidente, da sua expansão e colonização do mundo. Fomos sempre a periferia da Europa e do Estados Unidos. Nossa relação com a Ásia sempre era intermediada por esses continentes, nunca se dava de maneira direta.

Até mesmo a ideia de revolução e seus lideres, sendo asiáticos – de Lenin a Mao – nos chegavam mediatos pelo movimento comunista europeu ou pelo maoísmo francês. Não conhecíamos a revolução chinesa, senão através dos debates da esquerda europeia.

Só mais recentemente, pela expansão internacional do comercio com a China é que passamos a ter relações diretas com esse país. Ainda assim, relações comerciais, que não trazem consigo relações com a historia e a cultura da China e do conjunto da Ásia. A China e a Índia – embora, somadas, representam a maioria da população mundial – eram, ainda até pouco e, de alguma forma ainda continuam a ser – mundos alheios, com os quais não temos relações estreitas e diretas, nem pelo conhecimento do que são aqueles mundos, nem pela sua cultura, música, literatura, sua historia, seus costumes. Só nos chega sua culinária, sempre intermediada pelos países europeus e pelos Estados Unidos.

Leia também: 

1. Lula e Alckmin se encontram pela primeira vez para discutir eleições de 2022

2. Mulheres convocam manifestação nacional “Bolsonaro nunca mais” para 4 de dezembro

3. AO VIVO: Lula concede entrevista à Rádio Gaúcha

Continue lendo o texto O primeiro grande historiador do século XXI. Por Emir Sader

A primeira expressão política de uma relação direta com a Ásia, entre outras forcas, se deu nos Brics. Uma eventual vitória do Lula permitirá a reincorporação do Brasil aos Brics numa perspectiva de consolidação de uma aliança estratégica da América Latina com a China e com a Rússia. Seria um elemento novo na direção que Frankopan aponta como o eixo da sua visão do mundo.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link 

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link