Houve conspiração dos procuradores para impedir volta do PT ao poder. Por Andy Robinson

Moro

PUBLICADO ORIGINALMENTE NO LA VANGUARDIA

POR ANDY ROBINSON

“Deltan, meu amigo!” diz Carol, uma dos promotoras da controversa Lava Jato ao chefe da operação, Deltan Dallagnol, que em 2016 acusou o presidente brasileiro Luis Inácio Lula da Silva de ser ” o chefe de uma organização delinqüente “. No meio da campanha eleitoral, os promotores da mega-investigação que haviam conseguido o objetivo de prender Lula se sentiram desconfortáveis. “Estou muito preocupado com um possível retorno do PT (Partido Trabalhista), mas rezei muito para que Deus ilumine nossa população e para que um milagre nos salve”, acrescentou o promotor.

Dallagnol, o chefe da acusação no processo judicial que abriu o caminho para o poder do líder do ultra-direitista Jair Bolsonaro, responde. “Bravo, Carol!” É uma das milhares de conversas vazadas e obtidas pelo meio de investigação pelo americano The Intercept. Deixam pouco espaço para dúvidas de que a operação judicial encabeçada pelo então juiz Sergio Moro – agora ministro da justiça do governo Bolsonaro – tinha objetivos políticos. O jornal americano descobre não apenas que os promotores falaram abertamente sobre a necessidade de impedir o retorno do PT ao poder, mas também da evidência de uma conspiração entre o juiz Moro e os promotores. “Moro passou conselhos estratégicos a seus promotores”, dizem jornalistas da interceptação para garantir que a informação publicada ontem é apenas o início de uma “investigação jornalistica explosiva” no politização de promotores e juízes.

“Em um dos arquivos mais graves nos últimos anos de conversações, áudios e vídeos (..) uma enorme quantidade de irregularidades é verificado”, tuitou na segunda-feira o fundador da Intercept, Glenn Greenwald: “Moro tem sido repetidamente criticado pelos advogados de Lula por violar o princípio da separação entre o promotor e o juiz no qual ele é a base da justiça brasileira. Em um e-mail de conversas entre o juiz e Dallagnol, o juiz, agora ministro da Justiça, pergunta: “O que você acha dessas declarações loucas do PT? Desmentimos?”, usando a primeira pessoa do plural, como se o juiz e o promotor eram membros da mesma equipe.

Também alegou na investigação da interceptação, o uso de material jornalístico para justificar as acusações contra Lula, pelo mesmo promotor Dallagnol, que teria usado o dinheiro arrecadado em multas e execuções durante a investigação para estabelecer uma fundação com possíveis fins políticos. Como Moro explicou há duas semanas para o relatório da BBC, a fala de Dallagnol sobre o papel de Lula como “comandante máximo” da rede de corrupção foi fundamental para a decisão do juiz de sentenciar o ex-presidente a nove anos de prisão mais tarde (alta após 12 anos). Essa sentença foi feita apesar da ausência de provas de que Lula possuía um apartamento na praia de São Paulo que havia sido reformado por uma das construtoras citadas no escândalo do suborno.

Vários carros de pesquisa ficaram intrigados com a discussão no Supremo Tribunal Federal o direito de Lula ser entrevistado pelo jornal brasileiro Folha de São Paulo durante a campanha eleitoral, no outono de 2018. Um promotor se mostra preocupado que ” eles podem escolher Haddad “em referência a Fernando Hadad, o candidato do PT nas eleições. Outro promotor escreve “Mafiosos!” Para se referir ao Supremo Tribunal e ao PT. Finalmente, a proibição da entrevista com Lula que liderou as pesquisas foi confirmada mesmo quando ele foi preso antes de ser forçado a se retirar da campanha eleitoral devido a sua sentença. “Todo traficante de drogas ladrão, estuprador,  poderia falar com a imprensa, menos Lula”, disse o jornalista investigativo Mário Magalhães, em entrevista concedida à vanguarda que a vontade popular foi escolher Lula. Lula foi entrevistado no mês passado pela Folha de São Paulo.

As informações obtidas pelo The Intercept são muito comprometedoras para Moro e Dallagnol, os dois chefes mais visíveis da mega-operação judicial que usou métodos controversos para comprar depoimentos do acusado e reduzir as penalidades para as testemunhas colaboradoras. Está claro, pelo material de filtragem, que os promotores não tinham informações que ligassem Lula ao escândalo da Petrobras. Por essa razão, um artigo publicado no jornal O Globo sobre o apartamento triplex na cidade litorânea do Guarujá, do qual Lula supostamente é dono, foi usado de forma irregular. Dallagnol – paroquiano de uma das muitas igrejas evangélicas brasileiras que incorporaram a demonização de suas religiosas convicções no PT, reconhece em particular que ele não tem provas de que o triplex estava relacionado com o enredo da Petrobrás e, portanto, da competência da operação Lava Jato. O promotor evangélico também reconhece em outra conversa que não tem provas de que Lula é o dono da propriedade, que tem sido o principal argumento da defesa de Lula.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!