Ibope e Datafolha trincaram sua credibilidade e ainda favoreceram Lula. Por Kiko Nogueira

 

Ibope e Datafolha deram um tiro no pé ao não divulgar o resultado da última pesquisa.

O Ibope, encomendado por Estadão e Globo, deveria ir ao ar na noite de terça-feira no Jornal Nacional.

Em nota oficial, informou que fez uma consulta ao TSE sobre a presença de Lula no questionário.

O motivo alegado era a decisão de indeferir o registro da candidatura do ex-presidente.

Haddad estava num outro cenário.

O site Poder360 narrou a comédia de erros:

Ocorre que nas primeiras horas da madrugada de 1º de setembro de 2018 o TSE decidiu rejeitar o registro da candidatura de Lula.

Por conta própria, o Ibope resolveu não aplicar a pergunta com o cenário em que Lula era incluído como candidato. A empresa soltou uma nota com 1 texto ambíguo ontem à noite, tentando explicar o ocorrido (eis a íntegra). (…)

Em sua explicação, o Ibope afirma ter consultado o TSE a respeito de sua decisão de não pesquisar o nome de Lula – ainda que o cenário constasse do questionário registrado pela empresa na Justiça Eleitoral.

“Até o momento, porém, o TSE não se manifestou sobre a questão, razão pela qual, em respeito à lei, o Ibope não liberou a pesquisa para divulgação. Tão logo o TSE se pronuncie a respeito, o Ibope informará o público e, consoante com a decisão da Corte, liberará ou não os resultados”, diz a nota da empresa de pesquisas, divulgada ontem à noite.

Há várias dúvidas que ficam para análise do TSE. A primeira diz respeito à data da realização da pesquisa.

Pela nota do Ibope, é possível inferir que a empresa teria começado a fazer seu levantamento apenas no sábado, 1º de setembro de 2018. Foi quando decidiu por conta própria não aplicar o questionário completo (excluindo o cenário com o ex-presidente Lula como candidato).

A nota da empresa diz que a decisão sobre retirar Lula se deu “na manhã de sábado, antes da realização da pesquisa”. Ocorre que no registro no TSE está explicitamente informado que o estudo teria como “data de início da pesquisa” o dia 29 de agosto e “término da pesquisa” em 4 de setembro.

Já o Datafolha cancelou por conta própria a pesquisa porque ela foi registrada no tribunal no dia 31 de agosto e trazia o ex-presidente.

A falta de transparência está gerando todo tipo de especulação.

É evidente que Lula aparece em primeiro — mas com quanto? 51%? 60%?

Alckmin morreu de vez? Bolsonaro despencou?

Haddad em segundo?

O medo de Lula provoca esses atropelos na democracia. Mais uma vez, ele sai fortalecido diante de outra manobra.

Tão certo quanto o sol nascerá amanhã, os números vão vazar cedo ou tarde.

Até lá, a credibilidade de Ibope e Datafolha estará como a da mídia e a da Justiça brasileiras, perto de 1 ponto na margem de erro.

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!