Incomodado com a ascensão de Mandetta, o bolsonarista Datena diz que ex-ministro é sem-vergonha

No seu esforço para bajular Jair Bolsonaro, Datena passou recibo, em nome dos bolsonaristas mais radicais, de que está incomodado com a ascensão de Luiz Henrique Mandetta. Ele criticou o vídeo divulgado nas redes que mostra o apreço da equipe do Ministério da Saúde pelo ex-chefe da pasta.

Foi um vídeo gravado por terceiros. Nele, Mandetta é homenageado pela equipe, que o cumprimenta e canta, acompanhada pelo próprio ex-ministro.

“Não tem vergonha na cara”, diz Datena.

Eterno candidato a candidato a algum cargo majoritário — seja prefeito, governador ou presidente –, Datena diz algo que não corresponde à verdade. “Foi Mandetta quem mandou os médicos cubanos embora”, disse.

Não foi.

Foi o próprio Bolsonaro, antes da posse, em razão da ameaça que hostilidade que existia desde o tempo da campanha, o que parece ser uma cartilha recomendada pelos EUA.

Na Bolívia, quando a extrema direita gospel deu o golpe em Evo Morales, os médicos cubanos também foram expulsos. Lá formalmente. Aqui pela retórica de Bolsonaro.

Mandetta foi contra a implantação do Mais Médicos, isso sim, seguindo posição daqueles que se opunham ao governo de Dilma Rousseff.

Como ministro, ele até viabilizou a volta os médicos cubanos que ficaram no Brasil, mas não eram aceitos pelo governo Bolsonaro. Durante a pandemia, abriu brecha legal para que se inscrevesse no antigo anMais Médicos.

Mandetta não foi nenhuma Brastemp como ministro. Mas fez o mínimo que se espera de um gestor na área da saúde. Teve um mérito: valorizou o SUS pelo menos da boca para fora. E cresceu quando se afastou de Bolsonaro, o presidente que Datena, sabe-se em troca de que, apoia com entusiasmo.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!