Instinto de sobrevivência explica por que direitistas como Janaína Paschoal abandonam Bolsonaro

Janaína Paschoal

Por que Janaína Paschoal, Joice Hasselmann, Alexandre Frota, MBL e muitos outros políticos e organizações de direita estão contra o ato de apoio a Bolsonaro marcado para o dia 26 na avenida Paulista?

A resposta é simples: “sobrevivência”.

Nessa disputa, se Bolsonaro ganha, a classe política perde, inclusive os que estão na direita. Seria a vitória de um projeto autoritário.

Num momento de lucidez, Janaína se manifestou através da rede social:

“O que ele quer? Não tem cabimento Deputados eleitos legitimamente fugirem das dificuldades de convencer os colegas (ser Parlamentar é difícil) e ficarem instigando o povo a gerar o caos.”

O ato articulado por Bolsonaro tem esse objetivo: enfraquecer as instituições, entre as quais o Legislativo, para que ele acumule poder.

Em 1999, entrevistado em um programa de televisão, Bolsonaro disse o que faria caso se elegesse um dia presidente. O entrevistador perguntou se fecharia o Congresso Nacional.

“Não há menor dúvida. Daria golpe no mesmo dia. Não funciona e tenho certeza de que pelo menos 90% da população iam fazer festa, iam bater palma, porque o Congresso hoje em dia não serve para nada. Só vota o que o presidente quer. Se ele é a pessoa que decide, que manda, que tripudia em cima do Congresso, dê logo o golpe, parte logo para a ditadura.”

Janaína talvez tenha percebido que aquele homem da entrevista de 20 anos atrás, que se apresentou com olhos fixos, face de poucas expressões e nenhum sorriso, não mudou.

Ele tem mais cabelos brancos e rugas, fez dois anos de terapia — a conselho de militares que traíram a então presidente Dilma Rousseff e já em 2014 decidiram apoiar sua pré-candidatura a presidente —, mas na essência é o Bolsonaro de sempre, que se orgulha de defender a tortura.

Para pessoas assim, a classe política, anteparo de confrontos violentos, é vista como inimiga, assim como juízes. Representam limites que uma mente autoritária não compreende.

Para pessoas como Bolsonaro, diálogo é perda de tempo.

Democracia dá trabalho, é sabido, e, para quem defende resolver conflitos à bala, milícia é mais eficiente e prático do que forças policiais que, em princípio, devem agir de acordo com a lei.

É esta ideologia por trás de suas frases. Interessa a quem? A ele somente.

Como presidente, no regime democrático, tem que trabalhar, algo que não faz há muito tempo. Até porque, na política, é preciso se relacionar com aliados e também adversários.

Em trinta anos, como se sabe, conseguiu aprovar apenas dois projetos de lei, um sobre isenção de imposto para produtos de informática e outro que autoriza o uso da chamada a fosfoetanolamina sintética, a “pílula do câncer”.

“Acordem! Dia 26, se as ruas estiverem vazias, Bolsonaro perceberá que terá que parar de fazer drama para TRABALHAR!”, disse Janaína.

Nesse ponto específico, como discordar dela?

Como presidente, Bolsonaro repete o que fez como parlamentar: se destaca pela agressividade, com pouco resultado efetivo.

Como diz o provérbio, deveria falar menos e trabalhar mais. Mas, se se comportasse assim, não seria Bolsonaro.

O campo progressista alertou que ele seria um problema para o Brasil caso se elegesse presidente.

Dois projetos estavam em disputa no segundo turno: o da civilização, representado por Fernando Haddad, e o da barbárie, encarnado por Bolsonaro.

Janaína agora admite, com o uso da palavra “caos”, que o seu candidato não é propriamente um homem civilizado.

Despertou tarde para a realidade, e nem poderia ser diferente: Janaína, protagonista da farsa do impeachment, foi uma das parteiras da serpente.

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!