Irmão de Pazuello foi preso em flagrante com armas, drogas e duas adolescentes, uma delas beijando seus pés

Alberto Pazuello, irmão do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello

A história escabrosa foi desenterrada pelos repórteres Alceu Luís Castilho e Leonardo Fuhrmann, do site “De Olho nos Ruralistas”.

O irmão do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, o empresário Alberto Pazuello, foi acusado de participar nos anos 90 de “A Firma”, um grupo de extermínio que atuava em Manaus.

A família de judeus sefarditas imigrados do Marrocos fez fortuna na região.

Matéria do Estadão de 30 de maio de 1996 trazia detalhes sobre a prisão de Alberto dois dias antes, em sua casa, em Manaus. O título era “Empresário é preso por estupro e tortura”.

A repórter Kátia Brasil abriu a notícia da seguinte forma, lembram Alceu e Leonardo:

— Sexo, drogas e videoteipe. Assim vivia o empresário Alberto Pazzuelo, 42 anos, em sua residência, numa área nobre de Manaus, com adolescentes mantidas em cárcere privado. Elas eram atraídas com anúncios em jornal oferecendo R$ 350 para copeiras e domésticas.

Eles prosseguem:

Há um equívoco na grafia do sobrenome, mas se trata mesmo de Alberto, irmão mais velho de Eduardo Pazuello. Nos anos 70, quando o ministro da Saúde ainda era adolescente, ambos eram sócios em uma financiadora no Rio, a S. B. Sabbá, ligada a outro clã amazonense. E eles continuam sócios, agora de três empresas. Uma delas, J. A. Leite Navegação, com longa trajetória nos rios do Amazonas, onde os Pazuello têm histórico familiar e empresarial relacionado à logística.

O texto do Estadão, disponível somente no acervo do jornal, continuava descrevendo o flagrante. Alberto estava com as adolescentes J.F.C., de 14 anos, e J.L.F.C., de 17 anos. A vítima mais velha estava beijando os pés do empresário quando a polícia entrou, conforme o relato da delegada. “Com ele, foram apreendidas uma escopeta, pistola automática, cocaína em pó e pasta, maconha, uma filmadora e fitas com cenas de sexo das garotas”.

Alberto Pazuello foi para o presídio sob a acusação de porte de drogas e de armas, estupro, atentado violento ao pudor e cárcere privado. Era a segunda vez em que ele era preso. No ano anterior, contava o Estadão em 1996, outra adolescente de 17 anos tinha sido mantida em cárcere privado: “O empresário a deixou cinco dias com os braços amarrados ao exaustor da sauna da casa. A mão direita da jovem teve de ser amputada”.

O segundo flagrante foi possível porque duas pessoas — uma delas, uma adolescente de 14 anos — fugiram da mansão, um dia antes da prisão, e denunciaram Alberto. “C.E.P. foi estuprada, já temos o laudo”, dizia à reportagem uma segunda delegada, Catarina Torres, da Delegacia de Crimes Contra a Mulher. Na 7ª Delegacia do Amazonas, então comandada por Vera Lúcia Oliveira, J.L.F.C. se viu em um vídeo com lágrimas nos olhos: “Ele me forçava com uma arma e me torturou”.