“Jair Rousseff” é a Folha sendo canalha. Depois é só pedir para trouxas usarem “amarelo pela democracia”

Carro da Folha incendiado na ditadura em retaliação a apoio do jornal à Oban

A Folha é, acima de tudo, um jornal a serviço de si mesma — e golpista.

Como toda a imprensa, embarcou na quartelada de 64. Anos mais tarde, fez mea culpa.

Em 2016, nem mea culpa houve.

Por isso não é de se estranhar o editorial “Jair Rousseff”. 

O tema é a quebra do teto de gastos por Bolsonaro, que “seria contratar crise futura em que pobres e presidente perderiam”.

Bolsonaro, diz o texto, “tem o azar e a sorte de suceder à petista Dilma Rousseff, que levou a fórmula aos limites da capacidade do Tesouro e da lei —o que resultou na maior crise econômica em gerações e lhe custou o segundo mandato.”

O que “custou o segundo mandato” dela, como se sabe, não foram as pedaladas, mas uma farsa jurídica e política que o jornal dos Frias ajudou a fomentar.

É lobby.

Em busca de um slogan, a Folha vincula um fascista genocida a uma mulher que foi torturada por gente que o sujeito homenageia.

Depois é só fazer uma campanha idiota com otários falando para otários usarem amarelo pela democracia.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!