Jogo de chantagens entre Moro e Bolsonaro foi longe demais. Por Fernando Brito

Jair Bolsonaro e Sérgio Moro. Foto: Wikimedia Commons

Publicado originalmente no blog Tijolaço

POR FERNANDO BRITO

Não adiantam mais declarações formais.

A disputa entre Sérgio Moro – e seu projeto político – e os planos de reeleição de Jair Bolsonaro chegou de vez à “Vila da Direita”, e as coisas já não estão mais como cochichos.

Todos estão acompanhando o que, agora, é claramente um jogo de chantagens.

Bolsonaro preocupa-se com que Moro possa roubar-lhe a condição de “Mito”: alguém que, como foi na Lava Jato, não pode ser criticado, detido ou simplesmente contrariado.

Moro preocupa-se com o “sereno” e com que o deserto para o qual iria possa tirar dele os holofotes que tem há seis anos.

Para usar metáfora do gênero do qual Bolsonaro abusa, a natureza de casamento de conveniência entre ambos passou do nível de suspeita geral para o dos “barracos” nos quais a vizinhança toma partido.

E o partido de Moro, que segue desfilando sua ambição presidencial em saias cada vez mais curtas.

Bolsonaro tem uma imagem pela qual precisa zelar, a do “macho destemido”, e é ela que está sendo atingida pela evidente insubordinação de Moro ao seu comando.

Pior, deixando sugestões de que a sua máquina policial produziu informações sobre os “podres familiares” do presidente, que não faltam e fedem mesmo sob as camadas de cumplicidade em que os buscam enterrar.

A discussão sobre quem frita quem nesta história é irrelevante.

Moro ganha no curto prazo. Mas a casa é de Jair.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!