Jornal Nacional produziu horário eleitoral para Moro. Por Eliara Santana

PUBLICADO NO FACEBOOK

POR ELIARA SANTANA

Uma edição histórica. Um horário eleitoral antecipado, não há dúvida.
55 minutos sem intervalo no Jornal Nacional. Sem blocos. Todo esse tempo para que o ex-ministro pudesse explicar as razões de suas saída. Sem questionamentos.
A escalada já marcou sem interrupção o embate, a acusação do presidente a Sergio Moro, os motivos do ex-juiz, o contra-ataque (com provas).
Foi um aperfeiçoamento da edição, de março de 2016, que impediu Lula de ser ministro-chefe da Casa Civil e selou o impeachment de Dilma Rousseff. Não se prepara uma edição como essa em menos de um dia.

Ainda na escalada da edição:

1. Há uma recontextualização de momentos históricos para marcar a dissonância na fala de Bolsonaro. Bonner e Renata na bancada, de preto:

“Novembro de 2018 – O presidente da República anuncia que vai dar carta-branca ao homem que escolheu como ministro da justiça (“Sergio Moro, no Ministério da Justiça, com todos os meios, inclusive a COAF, pra combater a corrupção. O compromisso que eu tive com ele é carta-branca pra combater a corrupção e o crime organizado” – Bolsonaro).
Abril de 2020 – Contra a vontade de Sérgio Moro, o presidente Jair Bolsonaro demite o diretor da Polícia Federal Maurício Valeixo, e o ex-ministro Moro pede demissão do Ministério com denúncias graves contra o presidente (entra Moro falando ainda na chamada para a edição).

2. É apontada a preocupação central de Bolsonaro: com inquéritos que correm no STF – ou seja, não se trata de uma simples troca de ministro.

3. Bolsonaro “desqualifica a pessoa de Sérgio Moro e diz que ele não tem compromisso com o Brasil, mas apenas com seu próprio ego”.

4. E para marcar seu lugar de autoridade, que não tem ligação com nenhum lado, “o Jornal Nacional cobra do ex-ministro Sérgio Moro provas das acusações que ele fez ao presidente e de que Moro não barganhou a nomeação para o STF em troca de demitir o diretor da PF”.

4. E o ex-ministro mostra provas com EXCLUSIVIDADE ao JN

A escalada também mostra a reação negativa do mercado financeiro (com recorde do dólar) e o número de casos confirmados da Covid, que chega a 53 mil.

O cenário turbulento está dado e vai se delinear ao longo da edição.

O primeiro grande bloco de uma só matéria do jornal começa com o vaticínio de Bonner: “Termina hoje de forma avassaladora a passagem de Sérgio Moro pelo Ministério da Justiça do governo de Jair Bolsonaro. O ex-juiz celebrizado pela Operação Lava-Jato, que recebeu do então presidente eleito carta-branca para combater a corrupção e o crime organizado, deixou o cargo após a exoneração do braço direto dele”.

A retomada do personagem Moro, o juiz herói, começa a se desenhar na narrativa da saída. “O estrago estava feito. A exoneração de Valeixo foi a gota d’água pra Moro, que vinha sendo esvaziado no governo há meses. Ele avisou a imprensa que faria um pronunciamento às 11 horas em Brasília. No horário marcado, diante dos jornalistas e de integrantes do Ministério da Justiça, o ex-juiz anunciou que deixava o governo mas também fazia acusações graves ao presidente Jair Bolsonaro que reverberaram o dia todo e que também levaram o presidente Jair Bolsonaro a fazer um pronunciamento seis horas depois”.

Para mostrar credibilidade, “o Jornal Nacional procurou o ministro para cobrar provas das acusações que ele havia feito publicamente ao presidente pela manhã. E o ex-ministro Moro as apresentou. É essa sucessão de fatos que o Jornal Nacional começa a apresentar a partir de agora”.

Por “sucessão de fatos”, podemos compreender uma narrativa para legitimar Sergio Moro e alijar Jair do poder.

Na sequência, e por quase 30 minutos, sem blocos e sem interrupção para anunciantes, o que se viu foi a reprodução conduzida e analisada do pronunciamento de Sérgio Moro – ele tem toda a prerrogativa da fala, e o faz sem qualquer interrupção, com a intervenção da bancada para marcar pontos estratégicos e delinear o juiz-herói. Alguns elementos:

Ele quis evitar que a crise política acontecesse nesse momento em que o país enfrenta a pandemia do coronavírus: e Moro começa comentando o número recorde de óbitos.

Ele lembra os termos em que foi convidado para compor o ministério, ressaltando o caráter de uma “missão” a ser cumprida contra a corrupção

– Moro diz que vai procurar emprego – que não se enriqueceu no serviço público.

– Lula retorna ao JN como personagem condenado por Moro – é exemplo do sucesso na luta contra a corrupção

– Edição mostra e recapitula todos os embates entre Moro e Bolsonaro por conta do suposto combate à corrupção.

– As investigações sobre Flavio Bolsonaro aparecem com destaque e a questão do Coaf é trazida à tona

A edição das imagens (congeladas ou não) traz figuras de um Moro figura de autoridade, um “imperador”, inquestionável na aura de combatente da corrupção. Ele não fala a não ser no pronunciamento.
Disse que a PF tem de ter autonomia – “e imaginem se o ex-presidente Luís ficasse ligando para ter informação…”. Moro não menciona o nome Lula, apesar da referência ao ex-presidente.

Bonner anuncia a fala de Moro ou a menção sobre o “assim chamado” gabinete do ódio. Não houve matérias ou mais explicações sobre isso, mas elas virão… Bonner também menciona na sequência a investigação aberta sobre a origem das manifestações antidemocráticas que ocorreram em Brasília. Todas são antecipações de temas que entrarão na pauta.

Bonner também sinaliza que Moro se posicionou contra a interferência política na Policia Federal

Após 20 minutos de trechos do discurso de Moro, Bonner anuncia que ele deixa o cargo 512 dias depois de ter sido nomeado pelo presidente. A partir daí, e por mais quase seis minutos, começa uma recapitulação das ações de Moro, de seu combate na Lava Jato (que conseguiu prender o ex-presidente Lula), muitas imagens dele, a projeção na magistratura, sendo conhecido como “o juiz da Lava Jato”. Segundo a matéria, “o protagonismo” causou atritos com o presidente, e os conflitos não retardaram.

– As investigações sobre Flavio Boslonaro, com imagens do filho 01, aparecem em destaque.

Após mais de 25 minutos de Moro, entra a fala de Bolsonaro no pronunciamento.

Bonner e Renata entrecortavam a fala com interpretações, muito mais que em relação a Moro. O tempo de fala e de exposição de Bolsonaro é bem menor que o de Moro.

45 minutos depois, aparecem as muitas críticas à demissão – continua sem intervalo.

– Transparência internacional se manifesta contrariamente.

– Nas repercussões negativas sobre a demissão, João Doria fala no “outro vírus” que está no Palácio do Planalto.

– Bonner fala numa repercussão grande na Imprensa internacional – a edição das cenas mostra a imagem imperial de Moro ao fundo, e imagens dos jornais que vão passando.

Na sequência, Ibovespa caindo, dólar disparando.

E a repórter insinua que Guedes pode ser o próximo a sair…

“Todas as regiões do pais registram panelaços”, como ilustram a as imagens.

Apesar de Bolsonaro ter citado e ter tentado estabelecer a analogia – “quem mandou matar Jair Bolsonaro?” – O assunto Marielle não é mencionado pelo JN. É uma carta na manga essencial e não será desperdiçada com insinuações aleatórias.

Uma hora e cinco minutos depois – sem intervalo – a chamada para a Covid no Brasil, que já tem quase 50 mil infectados – nas ultimas 24 horas confirmaram-se mais de 357 óbitos.
A rede de saúde do Rio chega ao limite. Pandemia atinge PMs em Manaus e prejudica verificação de óbitos no Pará. Há afrouxamento da quarentena em Goiás, apesar do pedido do governador para as pessoas ficarem em casa.

O terceiro bloco traz internacional, com foco grande na iniciativa da OMS e de líderes mundiais para distribuição de testes, tratamentos e vacinas. o Brasil ficou de fora, nem foi lembrado. Há um balanço também da situação alarmante nos EUA, com quase 900 mil casos e mais de 50 mil mortos. O Islã tem um Hamadã vazio, e Itália e Espanha apresentam menor número de mortes.

Depois, no quarto bloco, o aniversário de 90 anos de José Sarney, e o “esforço nacional” das empresas para ajudarem o Brasil.

Se há ainda alguma dúvida, a edição deixa claro que, no embate, Moro é o grande vencedor. Será reconstruído como herói. Os dias não serão fáceis para Bolsonaro e filhos. Como coloquei mais cedo, a parceria Moro-Rede Globo tem longa data e é bem estruturada. Essa edição é um retrato.

Em dia de fortes emoções, é isso.

Boa noite.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!