Juiz absolve mulher de injúria por ter xingado promotoria de filha da puta

Mulher que foi à sede da promotoria, não encontrou ninguém e postou vídeo nas redes sociais com xingamentos.(Imagem: Pexels)

Publicado originalmente no site Migalhas

O juiz de Direito José de Souza Brandão Netto absolveu do crime de injúria uma mulher que foi à sede da promotoria de Entre Rios/BA, não encontrou ninguém e postou vídeo nas redes sociais com xingamentos. A mulher teria escrito: “agora sabemos para onde vai nosso dinheiro pra ‘paga’ esses filha da puta“. Para o magistrado, a utilização do termo não é suficiente para o reconhecimento da configuração do tipo penal.

LEIA – Justiça tenta notificar bolsonarista Allan dos Santos há mais de um ano por processo de injúria

Consta nos autos que uma mulher compareceu na sede da Promotoria de Justiça de Entre Rios/BA e, no seu interior, gravou um vídeo que, posteriormente, foi postado nas redes sociais. A mulher afirmou que foi protocolar um abaixo-assinado, que tratava da exoneração de um professor em uma escola.

LEIA MAIS – Homem é indiciado por injúria depois de xingar prefeita que teve câncer de mama

Segundo a mulher, ao adentrarem na promotoria, não encontraram ninguém na recepção, tendo ainda ficado algum tempo esperando que alguém aparecesse, mas ninguém apareceu. No post do vídeo, a mulher escreveu: “agora sabemos para onde vai nosso dinheiro pra ‘paga’ esses filha da puta“.

Ao ser ouvida na promotoria, a mulher disse que escreveu porque estava muito nervosa e de cabeça quente, pois não conseguiu resolver o problema do professor, ao final, nas declarações, pediu desculpas pelos transtornos causados.

Incomodados com a situação, dois promotores e um servidor fizeram representação criminal alegando que a mulher teria cometido crime contra a honra deles.

Ao analisar o caso, o magistrado não vislumbrou crime de injúria, mas tão somente a livre manifestação do pensamento. Para o juiz, a utilização dos termos utilizados pela mulher não é suficiente para o reconhecimento da configuração do tipo penal.

“No caso concreto, a liberdade de expressão das quereladas, deve ser prestigiada porque se trata de direito fundamental previsto no art. 5º, IX, da CF/88. Não à toa, o TJ/GO acolheu o recurso do festejado jornalista Ricardo Boechat, cassando a sentença que o havia condenado por utilizado expressões muito mais ácidas para criticar servidores públicos, oportunidade os chamou de “Zé Bunda”, durante um programa de rádio.”

Para o magistrado, as ofensas ocorridas num momento de nervoso por parte da mulher teriam extrapolado e atingido a honra e idoneidade dos promotores e servidor. Porém, não vislumbrou justa causa para ensejar o prosseguimento de ação penal.

“É inequívoco que os comentários e questionamentos, ainda que exaltados e contundentes, foram direcionados a toda a Promotoria de Justiça desta cidade, sem individualização de qualquer um de seus integrantes. Seguindo o entendimento do TRF-4, é certo que a ausência de individualização mínima das vítimas tem como consequência a não adequação da conduta imputada as Quereladas ao crime de injúria.”

Diante disso, rejeitou a representação criminal.

  • Processo: 0000369-81.2019.805.0076

Veja a decisão.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!