Juiz prorroga licença de professora que alegou perseguição política

Publicado originalmente no site Migalhas

Em sede de plantão judicial, o juiz Federal Itagiba Catta Preta Neto, da SJ/DF, deferiu liminar para determinar a prorrogação do afastamento por motivo de saúde de uma professora da UFS – Universidade Federal de Sergipe que sofre de depressão e alegou ser perseguida por conta de suas posições políticas.

Mulher foi chamada de coxinha por ser loira, alta e de olhos azuis. (Imagem: Unsplash)

A autora é professora na universidade desde 2018. Conforme suas alegações, desde que entrou em exercício na referida instituição, percebeu um forte posicionamento político com viés de esquerda, e uma insatisfação generalizada com o atual governo Bolsonaro.

Ela diz, ainda, que na primeira semana de atividades após tomar posse foi chamada de coxinha por alguns professores, simplesmente por ser de São Paulo e por seu biotipo (loira, alta, olhos azuis).

A professora alegou que para evitar qualquer tipo de conflito, apesar de ser eleitora de Bolsonaro, manteve-se neutra e não entrou em qualquer divergência política com os demais servidores da instituição. Ainda assim, teria sofrido diversas retaliações políticas, as quais acarretaram severos problemas psiquiátricos.

Por esses motivos, requereu sua remoção para São Carlos/SP e a prorrogação de sua licença de saúde, já que não teria condições de retornar ao trabalho.

Na avalição do pedido de urgência, o juiz plantonista considerou fortes os indícios de que a autora está sendo vítima de diversos desvios e abusos de poder, envolvendo até mesmo crime (falsificação de documento).

“Além da perseguição pesa o fato de que, até por causa dos desvios da Administração, a autora padece de enfermidade que recomenda a manutenção de seu afastamento. Assim, sem prejuízo de nova análise pelo juízo natural, defiro o pedido de antecipação da tutela para determinar a prorrogação do afastamento por motivo de saúde da Autora por prazo indeterminado.”

Os advogados Sérgio Merola e Felipe Bambirra, do escritório Bambirra, Merola e Andrade Advogados, patrocinam a causa.

  • Processo: 1050546-27.2021.4.01.3400

Veja a decisão.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!