“Juíz”, “rugas”, “a 28 anos”, “coupção”… Moro tortura a língua portuguesa até ela confessar. Por Kiko Nogueira

“Desculpaê, amigus”

Sergio Moro não é um fenômeno apenas de perversão do Direito, mas da língua portuguesa.

Ao falar, cunha neologismos como “conje” (ou “conge”, dependendo do país).

Ao escrever, a tragédia é pior.

Na série de diálogos revelados pela Veja, está lá a dica de Faustão transmitida a Dallagnol sobre usar uma “linguagem mais simples”.

“Conselho de quem está a (sic) 28/anos na TV”, manda ver SM.

Moro simplesmente desconhece o verbo “haver” e suas regras de impessoalidade e flexão.

Num Roda Viva do ano passado, falou de “um anseio da população para que houvessem reformas legislativas que incrementassem a eficiência do sistema em relação a esse tipo de criminalidade.”

No program do Bial em que mentiu sobre uma biografia que não estava lendo, mencionou as “rugas” com Gilmar Mendes (eram “rusgas”).

Não bastassem as ideias, a dicção é sofrível. “Coupção”, por exemplo, é um clássico.

Em sua resposta à Veja, ele conseguiu fazer o diabo em apenas quatro linhas.

“Que constrangedor para a Veja a matéria abaixo. Será que tem resposta para isso ou vai insistir na fantasia, como na do juíz que favorece à acusação, mas que absolve os acusados no mesmo processo?”

Juiz com acento é de chorar sentado. Essa crase no “a” antes de acusação é digna de Carluxo.

A ideia é torturar o idioma até ele confessar.

Pobres alunos desse sujeito.

E onde estavam os professores do pequeno Moro, que deixaram que ele passasse de ano?

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!