Lava Jato é enterrada e não sobrou um para carregar o caixão

Já tem gente pedindo a prisão dos envolvidos

É tão desmoralizada a Operação comandada pelo ex-juiz Sergio Moro e pelos procuradores de Curitiba que a Lava Jato segue para cova rasa sem ninguém nem para por a mão na alça do caixão.

Nada de gritaria, protestos na porta da Fiesp, tuítes acalorados para defender um arranjo que serviu apenas para perseguir Lula, desestabilizar a economia, jogar no ralo a credibilidade da Justiça e do MP e solapar a democracia.

Melhor assim, antes tarde do que nunca.

É certo que o anuncio do fim da Operação tem relação com uma medida tomada nesta semana pelo ministro Ricardo Lewandowski, do STF, que retirou o sigilo das conversas entre procuradores e Moro.

O conteúdo de novos diálogos acabou incluído no processo pela defesa do ex-presidente Lula. O material tem, ao todo, 50 páginas.

Uma outra parte dos diálogos já tinha vindo a público e revelava Moro orientando os procuradores sobre como apresentar a denúncia contra o petista no caso do triplex do Guarujá.

Agora é juntar os cacos, seguir a vida e pedir punição aos que subverteram as regras do direito e estupraram a democracia para atender interesses políticos de pequenos grupos.

“Eu digo sempre: Lula é digno de um julgamento justo.”

A afirmação acima é de Gilmar Mendes e reflete a indignação com tudo o que acabou vindo à tona.

Embora com a ressalva de que o material liberado pelo STF deve ser analisado com cuidado, o ministro disse que causa preocupação, porque parece revelar que Moro agia como se “fosse chefe do grupo de procuradores”.

“Ele assume posição de chefe do grupo da força-tarefa, Dallagnol faz consultas sobre como deveria proceder, manda informações e eles combinam ações. A não ser – e vamos dar o benefício da dúvida – que o que está escrito seja uma peça ficcional”, ironiza Gilmar.

O ministro é um dos membros da Segunda Turma do STF que vai julgar a suspeição do Moro. Fala-se que isso vai ocorrer ainda neste semestre.

Se a suspeição do ex-juiz for declarada, a condenação de Lula será anulada. E o ex-presidente terá de ter os seus direitos políticos restabelecidos, podendo concorrer novamente à presidência no ano que vem.

Cadê a turma de camisa da seleção na porta da Fiesp? Vergonha de que?