‘Leda Nagle, o Brasil te ama”: Colunista profissional do Globo dá show de bola para salvar pele de colega veterana

Malu põe a ‘miga’ Joice no chinelo: jornalismo profissional é outro nível

Malu Gaspar estreou com o pé direito como colunista em O Globo em 25 de fevereiro: equiparando Lula e Dilma a Bolsonaro.

Forjou o termo ‘bolsopetismo’. Certamente empolgou os filhos de Roberto Marinho e mais ainda quase matou Merval Pereira de ciúmes.

Logo virou piada nas redes, obvio.

Nesta terça, usou um repórter para comentar em sua coluna uma das cenas mais baixas cometidas nos últimos tempos: a fake news espalhada propositalmente por Leda Nagle, veterana ex-apresentadora da Globo, sobre uma suposta tentativa de Lula e ministros do STF de tentar o assassinato de Bolsonaro.

Noves fora tudo, o texto assinado por Johanns Eller, que auxilia Malu na coluna, abre apresentando o fato, vai enrolando, enrolando, enrolando até encontrar uma forma de enfiar a esquerda como uma das protagonistas da trama.

Encerra com Alexandre Garcia e uma frase emblemática que teria sido repetida em uníssono a Leda após um dia cansativo de calvário: “Leda Nagle, o Brasil te Ama”.

Leia a coluna na íntegra e me diga se isso é ou não coisa de jornalista profissional.

O vídeo em que a jornalista Leda Nagle repercute a postagem de um perfil falso do diretor-geral da Polícia Federal sobre uma suposta conspiração do STF e de Lula no atentado contra Jair Bolsonaro em 2018 incendiou as redes bolsonaristas nesta segunda-feira.

O vídeo de pouco mais de 2 minutos surgiu nas redes logo pela manhã, quando Leda leu os tuítes da conta falsa de Paulo Maiurino, já suspensa pelo Twitter, em uma live privada.

“Minha Nossa Senhora do perpétuo socorro (…) Eu não sei o que fazer, fico tão assustada com isso tudo! Porque isso não é política, né? Isso é tudo, menos política”, disse a jornalista, depois de ler toda a postagem falsa em nome de Mairuino.

Imediatamente, foram disparadas mensagens em massa reproduzindo a fake news, e apontando Leda Nagle como a responsável pela suposta apuração.

“A ordem para matar Bolsonaro partiu do STF e Lula! Diretor da Policia Federal Paulo Maiurino fez declaração que pode provocar uma intervenção no país, assistam! Fonte: Jornalista Leda Nagle”, diz um texto replicado em vários grupos.

No início da tarde, Polícia Federal informou que o perfil do diretor, Paulo Maiurino, havia sido falsificado. Leda Nagle chegou a se desculpar publicamente por ter divulgado a informação falsa, mas era tarde.

A narrativa da conspiração foi multiplicada ao longo de todo dia, acompanhada de memes e reproduções de mensagens com apelos por uma ruptura institucional e ataques críticas ao STF e ao PT.

Numa delas, Adélio Bispo, preso pela facada que deu em Bolsonaro durante a campanha de 2018, aparecia dizendo “eram 11, mas só um deu a ordem”.

“Estamos neste momento em guerra. Conforme o chefe da Polícia Federal, foi o STF quem mandou matar Bolsonaro. Exigimos o fechamento e a prisão de todos os membros do STF que estão por trás desse crime”, escreveu um bolsonarista em caixa alta.

“As suspeitas de envolvimento do STF na tentativa de assassinato do presidente, se confirmadas, poderão levar a uma reviravolta completa na atual organização política do Estado Brasileiro. E muitas, muitas prisões serão efetuadas”, apostou outro apoiador do presidente, com mais de 10 mil seguidores no Twitter, em publicação replicada em vários grupos do WhatsApp. (…)

Em outro vídeo bem popular, o jornalista Alexandre Garcia, também ligado a Bolsonaro, defende a colega. “A ironia disso é que muita gente que está caindo de pau sobre ela inventa notícia todos os dias. Não tem moral para gozar alguém que foi enganada.”

Junto com as postagens, uma mensagem bastante reproduzida dizia: “Leda Nagle, o Brasil te Ama”.

Por Johanns Eller

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!