Leia trechos da entrevista de general que levou Bolsonaro a demitir o ministro da Defesa

Um dos fatores para a queda do ministro da Defesa foi a irritação com a entrevista do general Paulo Sérgio, responsável pelo RH do Exército, ao Correio Braziliense. Na entrevista ao jornal da capital do país, o general contou como o Exército lidou com a pandemia – e obteve ótimos resultados.

A fala do general irritou Bolsonaro porque o Exército fez tudo o que a Organização Mundial de Saúde recomendou e Bolsonaro renegou: testagem em massa dos 700 mil ativos e inativos, uso de máscara, higienização e isolamento dos (poucos) contaminados, grupos de risco mandados para home-office e cerimônias em quarteis suspensas.

Com as medidas, o Exército manteve a mortalidade em 0,13%, contra os 2,5% registrados na população do país como um todo – um índice 20 vezes menor. Confira trechos da entrevista:

“Desde a chegada ao quartel até a instrução; à noite, na hora de dormir; é o termômetro na entrada, higienização dos pés, álcool em gel, uso da máscara, distanciamento. Nós testamos praticamente todos os recrutas, quase 90%, e o índice de contaminação foi muito baixo”.

(…)

“O Exército, por exemplo, baixou recomendações administrativas claras, com relação à prevenção mais especificamente. A partir dali, foi uma coisa muito disciplinada, no uso da máscara, no afastamento social nos refeitórios, nos dormitórios. Aí, começaram a surgir campanhas de conscientização. Os hospitais começaram a pedir sangue, e iniciamos uma campanha”.

(…)

“Todo dia, nosso comandante, o general Leal Pujol, faz videoconferência conosco e recomenda para que a ponta da linha use máscara, álcool em gel, distanciamento”.

(…)

“Ao recruta, fizemos um período de internato, e eles conversam com a família por vídeo. Ele pode ir no fim de semana. Eu acho que não tem local mais seguro para um jovem, hoje, do que dentro do quartel, pois ele está sendo acompanhado, fiscalizado sobre as medidas preventivas, instruído”.

(…)

“Quando começou a surgir a crise (de oxigênio) na rede pública, nós “startamos”, aqui, um planejamento alternativo. Com antecedência, compramos usina de oxigênio, cilindro e, por meio da Força Aérea Brasileira, suprimos São Gabriel, Tabatinga, Porto Velho e Manaus”.

(…)

“Temos desenvolvido campanhas sobre estresse, desemprego, a morte de um ente querido por covid; temos cuidado da saúde mental.”

(…)

“Se temos a notícia de que, lá na frente, pode ter uma terceira onda, temos de estar preparado. Mas torcemos para não termos, que a gente avance, e a vacina está aí para isso”.

(…)

“O índice de letalidade é muito baixo, de 0,13%, muito menor do que na rede pública, graças a essa conscientização, essa compreensão, que é o que eu acho que, se melhorasse no Brasil, provavelmente, o número de contaminados seria bem menor”.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!