Lenio Streck aponta 4 erros de Kassio Marques ao liberar a abertura de igrejas

Lenio Streck em entrevista ao DCM. Foto: Reprodução/YouTube

Sempre didático, o jurista Lenio Streck apresentou uma thread em seu Twitter onde apresentou quatro erros do Ministro Kassio Nunes Marques na decisão que liberou a abertura de templos religiosos.

Sou insuspeito (suspeito, mesmo, é o Moro- kkk) em relação ao STF. Todos sabem de minha defesa intransigente da Corte. E quando erra, digo. Sou amicus. E amicus dizem a verdade. Quis amicum monet! Quatro erros da decisão do Min. Nunes Marques sobre os CULTOS:

A) Não há legitimidade da Associação de Juristas. Ela não representa todos os “juristas” (que conceito, hein – sic) cristãos do país. Até a AGU diz que não. Ilegitimidade chapada.

B) Não há direito fundamental de ir a cultos com presença física. Não se confunde direito à crença ou fé religiosa com um pretenso direito fundamental a aglomerar em cultos. Há um direito à saúde bem superior ao “direito à “contaminação”. Isso é laicidade?

C) O uso de “precedente” estrangeiro não pode ser ad hoc. O Ministro poderia ter usado o direito dos EUA para reconhecer a parcialidade de Moro. Ora, não dá para usar só quando interessa. Comparar EUA com Brasil? Em que parte?

D) A decisão não só vai contra a CF como, também, contra a Bíblia. Mateus, Cap. 6, vers. 5 a 8: “E quando vocês orarem, não sejam como os hipócritas. (…) Eles gostam de ficar orando em pé nas sinagogas e nas esquinas, a fim de serem vistos pelos outros” (…). Amém, irmãos?

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!